quarta-feira, 20 de junho de 2018

Deputados derrubam veto do Governo e inativos da UERN serão pagos pela folha


Na sessão extraordinária, realizada na manhã desta quarta-feira (20), os deputados derrubaram veto governamental à emenda proposta pelo deputado George Soares (PR) no projeto de Lei 133/2017, que estima a receita e fixa as despesas do Estado para o exercício financeiro de 2018.
A proposta do Governo era de retirar a responsabilidade de pagamento dos aposentados da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) para o Instituto de Previdência do Estado (IPERN), gerando uma insatisfação nos servidores.
A emenda do deputado George Soares, vetada pelo Governo, era para manter os aposentados na própria responsabilidade da folha normal da UERN, como está previsto no Orçamento, uma vez que não havia previsão de recursos no IPERN para cumprir essa obrigação.
Ontem (19) o veto governamental à emenda parlamentar já havia sido derrubado na Casa pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) e com sua derrubada, os inativos da UERN permanecem na folha de pagamento normal. 


Continuam os preparativos para inauguração da “Creche Nova” no bairro maracujá

Na intenção de ampliar a oferta da Educação Infantil a Prefeitura Municipal de Santa Cruz continua nos retoques e ajustes finais para inauguração da Creche no Maracujá que se chamará Centro Municipal de Ensino Infantil Maria Gizalda Barbosa Lins que atenderá as crianças do bairro e adjacências.
Com  esta ação ,percebe-se a preocupação da gestão municipal com a 1a Infância, onde
Os cuidados com a criança nos primeiros anos de vida e a estimulação precoce exercem uma função importante no desenvolvimento emocional, cognitivo e social.


Alunos de medicina do curso multicampi da UFRN encerram módulo de vivência em Santa Cruz e elogiam atenção básica do município

ALUNOS-MEDICINA-001Encerrado o módulo de Vivência Integrada na Comunidade, alunos do curso de medicina da Escola Multicampi de Ciências Médicas (EMCM), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), tiveram nesta segunda-feira (18) um encontro com representantes da Prefeitura de Santa Cruz para avaliar o período em que estiveram utilizando a estrutura da atenção básica e demais serviços de saúde do município para o desenvolvimento das atividades que fazem parte do processo de formação acadêmica. Não faltaram elogios para a estrutura santa-cruzense.
Realizando atividades em Santa Cruz desde 2015, Júlio César Duarte, estudante do 8º período do curso de medicina, ao relatar experiências vivenciadas no município, fez questão de destacar o empenho dos profissionais e a execução de forma eficiente dos programas de saúde voltadas para a população.
Júlio César, que também já desenvolveu atividades acadêmicas em Caicó e Currais Novos, municípios que também integram a estrutura do curso multicampi da UFRN, destacou a eficiência da atenção básica de Santa Cruz. “O que eu tenho a dizer daqui é o quanto a atenção básica é bem forte. A gente ver, mesmo com as dificuldades que a gente encontra no caminho, acho que, de maneira geral, ela funciona”, afirmou.
André Matheus de Souza, também do 8º período do curso de medicina, escolheu Santa Cruz como módulo de vivência, a principio, pela proximidade de Natal, onde reside, mas afirmou que se surpreendeu com o que encontrou na capital do Trairi. “Me surpreendi bastante pela qualidade do serviço de saúde aqui oferecido. Dá pra ver que tudo funciona de maneira bem harmoniosa. Um modelo a ser seguido”, ressaltou.
Ao longo dos últimos três anos e meio, um mês por cada semestre, os alunos do curso de medicina puderam conviver com a rotina diária dos serviços que são oferecidos para a população santa-cruzense, vivenciando o dia a dia nas Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) e também perpassando por outros serviços da rede de saúde, como CAPS, CER e HORAB e da rede de assistência social, como CREAS e CRAS.
Para a secretária municipal de Saúde de Santa Cruz, Myllena Ferreira, poder contribuir com estrutura da rede de saúde do município para ajudar na formação de futuros profissionais é muito gratificante. “Esse é um modelo de formação importante e inovador, que possibilita que os estudantes de medicina vivenciem situações práticas dentro da realidade dos serviços públicos de saúde, desde o início do curso. O que possibilita a formação de um médico mais ciente e interessado pela realidade social e de saúde da população do interior. E saber que a Prefeitura de Santa Cruz tem dado uma importante contribuição para formar esses futuros médicos, é muito gratificante para todos que fazem a gestão da Saúde no nosso município”, disse.
A prefeita de Santa Cruz, Fernanda Costa, que também é médica, falou do sentimento em poder contribuir na formação de novos profissionais e pelo reconhecimento aos serviços prestados à população. “Como gestora, é muito gratificante ter o reconhecimento aos nossos serviços em saúde, uma área que recebe uma atenção muito especial de nossa administração. Como médica, sei o que representa essa fase do curso de medicina para esses estudantes, o quão é importante essa vivência para esses alunos. Poder contribuir com essa formação e ter esse retorno positivo nos deixa muito felizes e com a certeza de que estamos no caminho certo”, concluiu.


Câmara aprova novo marco regulatório para transporte de cargas

Heloisa Cristaldo
Plenário da Câmara dos Deputados aprova o texto-base da proposta que cria um novo marco regulatório para o transporte rodoviário de cargas no País (PL 4860/16). O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (20) a proposta que cria um novo marco regulatório para o transporte rodoviário de cargas. A medida era uma das reivindicações dos caminhoneiros que paralisaram por 11 dias em todo país no mês de maio. Com a aprovação, a matéria segue para análise do Senado.
O texto do PL 4860/16 estabelece normas para a contratação de transportadores, regras de segurança nas estradas e prevê normas para a contratação de seguros em caso de acidentes, perda de mercadoria, furtos e assaltos.
O projeto permite ainda o acordo individual ou coletivo sobre condições do contrato de transporte, como perdas e avarias, prazo de entrega, forma de pagamento e subcontratação.
Uma das propostas de alteração do texto aprovada pelos deputados reinseriu a regra em que contrato celebrado entre o transportador contratante e o subcontratado será sempre de natureza empresarial e comercial, não resultando em relação de trabalho e nem em vínculo empregatício. O trecho havia sido retirado no substitutivo apresentado pelo relator deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP).

Roubos e furtos O PL define que, em casos fortuitos, como desvios de carga, roubos e assaltos, será assegurado ao transportador o direito junto ao contratante do serviço o recebimento do frete e as taxas constantes no documento fiscal de transporte.
O projeto também estabelece que associações e cooperativas de transporte rodoviário de cargas, assegurada a participação, interveniência ou intermediação de corretor de seguros, habilitado e registrado na Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), ficam autorizadas a operar o auxílio mútuo, por meio de autogestão e rateio dos prejuízos, nos casos de roubo, furto, colisão e incêndio de veículos dos transportadores.

Polêmica Para que o texto fosse aprovado, um acordo foi firmado entre os líderes partidários, o que viabilizou a aprovação da matéria nesta quarta-feira (20). Entre os trechos polêmicos, estava a anistia aos caminhoneiros multados durante a greve. Segundo Marquezelli, o tema não poderia ser tratado no texto da regulamentação do setor. O deputado afirmou que o tema deverá ser analisado em uma medida provisória futuramente.

STF valida delações premiadas negociadas pela Polícia Federal

André Richter
Plenário do STF julga validade de delações premiadas negociadas pela PFPor 10 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou hoje (20) a validade da autorização legal para que delegados das polícias Civil e Federal possam negociar delações premiadas, conforme previsto na Lei de Organizações Criminosas (12.850/2013). Para os ministros, delegados podem usar os depoimentos de colaboração como instrumento de obtenção de provas durante a investigação.
A decisão terá impacto nas delações de investigados na Operação Lava Jato que não conseguiram assinar acordos com a força-tarefa de procuradores do Ministério Público e tentaram acordo com a Polícia Federal, como o publicitário Duda Mendonça e o ex-ministro Antônio Palocci. Com a decisão do STF, a Justiça poderá decidir sobre a homologação dos acordos.
A norma foi questionada no Supremo pela Procuradoria-Geral da República (PGR), em 2016. Na ocasião, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, alegou que a possibilidade de a PF realizar acordos enfraquece a atribuição exclusiva do Ministério Público (MP) de oferecer denúncia contra criminosos.
A PGR também sustentou que delegados não têm a prerrogativa de oferecer prêmios ao colaborador, uma vez que cabe somente ao Ministério Público o papel de apresentar denúncia contra o criminoso.
O julgamento foi interrompido em dezembro do ano passado, quando o placar estava em 6 a 1 a favor das delações negociadas pelas polícias, mas com divergências. O único ministro que votou contra as delações negociadas pela polícia foi o relator da Lava Jato no Supremo, Edson Fachin.
Na sessão de hoje, a questão foi definida com os votos dos ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e da presidente, Cármen Lúcia. No entendimento de Mello, a lei definiu que a delação é um meio de obtenção de prova, cabendo ao Judiciário decidir se o acordo pode ser homologado ou não. Segundo o ministro, a colaboração só tem validade após passar pelo crivo de um juiz.
"A fiscalização de legalidade pelo Poder Judiciário destina-se precisamente a impedir que se ajustem, no plano negocial, cláusulas abusivas e cláusulas ilegais. Na verdade, o acordo de colaboração premiada sem homologação judicial não significa nada.", argumentou.
A ministra Cármen Lúcia disse que o instituto da colaboração “é um prêmio para a cidadania e contra o crime” e tem objetivo de tornar as investigações mais rápidas, principalmente, as que envolvem organizações criminosas. “A colaboração é um negócio jurídico e, dessa forma, apenas uma ferramenta para se chegar a obtenção de provas”, disse.
Durante a tramitação do processo, associações de classe ligadas aos delegados, como a Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), discordaram da PGR e consideraram que a tentativa de impedir que delegados possam propor a assinatura de acordos é um retrocesso.

CBF reafirma erros de arbitragem no empate do Brasil com a Suíça

Luiza Damé
Centro de operações do sistema de arbitragem por vídeo em Moscou, na Rússia Após a resposta da Fifa aos questionamentos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) sobre a atuação do VAR (do inglês Video Assistant Referee) no empate do Brasil com a Suíça, a entidade brasileira reafirmou hoje (20) a posição de que a arbitragem errou em, pelo menos, dois lances da partida, prejudicando o time brasileiro. Segundo a CBF, a falta no zagueiro Miranda, no gol de empate da Suíça, e o pênalti em Gabriel Jesus, ambos não marcados, ficariam evidentes se o árbitro assistente de vídeo tivesse sido acionado.
Centro de operações do sistema de arbitragem por vídeo na Copa da Rússia (Yuri Kochetko/EFE/direitos reservados)
Conforme manifestação publicada no portal da entidade, a CBF considera “importante ter aberto esse debate” com a Fifa, para evitar “erros em procedimentos futuros, bem como colaborar para o aperfeiçoamento do uso da tecnologia”.
Em ofício assinado pelo chefe da Comissão de Arbitragem, Pierluigi Collina, e pelo secretário-geral adjunto para o Futebol, Zvonimir Boban, a Fifa respondeu ontem à reclamação da CBF sobre os procedimentos adotados pelo VAR no jogo de estreia da seleção brasileira, no último domingo. Na resposta, a Fifa não entrou no mérito dos lances questionados pela CBF, mas afirmou que o árbitro de vídeo objetiva prevenir “erros claros e óbvios” e “sérios incidentes” não percebidos pelo juiz e auxiliares de campo e que os demais casos ficam sujeitos à exclusiva atuação da arbitragem de campo.
Diz a resposta da Fifa: “Como tem sido repetidamente comunicado, a pergunta que os VARs devem fazer a si mesmos quando o árbitro toma uma decisão durante uma partida não é ‘a decisão do árbitro foi correta?’. Eles devem se perguntar se ‘a decisão do árbitro foi clara e obviamente errada?’, pois a interpretação do árbitro, em todas as demais situações, é e permanece a única relevante quando uma decisão é tomada.”
A Fifa negou o fornecimento de cópia das gravações de áudio e vídeo do VAR relativas aos dois lances polêmicos, sob argumento de que, antes da Copa do Mundo da Rússia, ficou decidido que “as gravações das conversas entre os oficiais de jogo e os oficiais de vídeo não estariam disponíveis”. A entidade informou à CBF que não fez nenhuma avaliação pública da atuação da arbitragem no jogo entre Brasil e Suíça, válido pela primeira rodada do grupo E.
A entidade mundial ainda desautorizou dirigentes que fizeram comentários sobre a atuação dos juízes na partida da Seleção Brasileira. Segundo o documento enviado à CBF, “no que diz respeito a relatos incorretos na mídia, observe que o Comitê de Arbitragem da Fifa não fornece comentários não oficiais sobre as decisões dos árbitros”. Ainda conforme a Fifa, “se e quando o Comitê de Arbitragem da FIFA decidir comentar a decisão de um árbitro, isso só será feito oficialmente, por meio de uma declaração oficial ou durante uma coletiva de imprensa’”.

São Paulo reduz acidentes fatais de trânsito em maio

Ludmilla Souza
O número de vítimas em acidentes de trânsito no estado de São Paulo diminuiu 14,1% em maio deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. Foram registrados 445 óbitos neste mês. No acumulado do ano, a redução é de 7,9%, com 2.087 fatalidades em 2018 contra 2.267 no ano passado.
Os dados foram divulgados hoje (19) pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, programa do governo paulista que visa reduzir pela metade o número de óbitos. Com 28,4 milhões de veículos, o estado tem a maior frota do país, representando 28,9% do total nacional. Somente na cidade de São Paulo são 8,1 milhões.
De acordo com levantamento do Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga SP), nos primeiros cinco meses deste ano 1.157 pessoas foram vítimas de acidentes de trânsito entre 18h e 6h, o que equivale a 55% do total (2.087).
 
Colisões entre veículos correspondem a 37,5% dos acidentes, enquanto os atropelamentos somam 28,7%. Choques contra objetos fixos equivalem a 15,1% dos casos e outros tipos de acidente somam 12,3%.
Estatísticas
Em maio, os motociclistas lideraram as estatísticas e corresponderam a 35,2% das vítimas (157 fatalidades), seguido por pedestres (27,6%), ocupantes de automóveis (22,9%) e ciclistas (9,6%). A maior parte dos acidentes ocorre à noite, nas madrugadas (54,3%) e nos finais de semana (37,8%). Jovens com idades entre 18 e 29 anos correspondem a 28,3% das vítimas (126 ocorrências) e os homens representam 82,3% dos casos.
“As ações promovidas pelo Movimento Paulista, em parceria com municípios, iniciativa privada e departamentos do governo de São Paulo, buscam conscientizar este público. Um exemplo foi a realização, em maio, da segunda edição do projeto para motociclistas, que une educação e fiscalização, e tem como objetivo mobilizar os municípios a difundir, junto a esse público, a pilotagem defensiva e segura e o espírito de cidadania”, disse o diretor técnico do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, Evandro Vale.
Usuários de moto somaram 157 vítimas em maio, mas com redução de 5,4% na comparação com 2017 (166 casos). Já 123 fatalidades vitimaram pedestres, redução de 14% (143 óbitos), seguido por ocupantes de automóveis, com 102 vítimas (-25,5%, 137 casos). Os ciclistas fazem parte do único grupo que apresentou aumento no mês. Foram 43 fatalidades em maio, contra 32 no ano passado, aumento de 34,4%.

MPF recomenda que Incra revogue resolução que reduz área de quilombo

Débora Teles
Acervo de memória da Comunidade Quilombola de Mesquita, presente na região da Cidade Ocidental há mais de 270 anos.O Ministério Público Federal (MPF) de Goiás emitiu uma recomendação para que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) revogue a resolução que permite a redução em cerca de 80% do território do Quilombo Mesquita, situado na Cidade Ocidental (GO). O documento foi expedido ontem (19) no final da tarde pela Procuradoria responsável pelo polo de Luziânia (GO) e divulgado hoje (20).
No mês passado, o Incra publicou uma resolução que permite a redução do Quilombo Mesquita de 4,2 mil hectares para pouco mais de 970 hectares. A notícia gerou polêmica e motivou reação imediata da comunidade afetada. O quilombo foi formado na região há cerca de 270 anos e abriga atualmente 785 famílias.
O Incra tem o prazo de 15 dias, a partir do recebimento do documento, para informar se acata ou  não a recomendação. Segundo o MPF, o não cumprimento da revogação, bem como a não apresentação de justificativas em caso de descumprimento da recomendação, “importará na adoção das medidas judiciais cabíveis”.
Desconsiderou estudos O Ministério Público argumenta que a decisão do Conselho Diretor do Incra “desconsiderou completamente todos os estudos antropológico, histórico e sociológico” e os relatórios técnicos e jurídicos feitos pela própria autarquia durante o processo de regularização da terra quilombola de Mesquita. A decisão também deve ser revogada, para o MPF, por ter ignorado a vontade da maioria da comunidade.
A recomendação do Ministério Público aponta ainda que a resolução do Incra foi aprovada com base em requerimento da Associação Renovadora do Quilombo Mesquita, que tem sua representatividade questionada pela comunidade. Segundo o MPF, a comunidade constatou fraudes no processo decisório que levou à formulação do pedido de redução do território e há evidências de que o pedido do então presidente da associação não encontra ressonância na maioria dos moradores do Quilombo.
A decisão do Incra, segundo o MPF, também contraria as avaliações técnicas e pesquisas de campo que definiram o tamanho original do território em mais de 4 mil hectares. Na recomendação, a Procuradoria esclarece que, ao contrário do que alega a direção da associação, a comunidade sempre reivindicou a manutenção do tamanho original do território, e não sua redução para 971 hectares, como consta na resolução do Incra.
A recomendação também cita parecer elaborado pelo próprio Ministério Público Federal, em 2012, que constatou, baseado em informações técnicas do relatório antropológico elaborado pelo Incra e a Fundação Cultural Palmares, que a área ocupada pelas 785 famílias não é suficiente para garantir a sustentabilidade física e social da comunidade.

Garantia constitucional O Quilombo do Mesquita, comunidade bicentenária situada a 50 Km de Brasília, corre o risco de ter território reduzido em mais de 80%.Na recomendação, o MPF considera o dispositivo da Constituição Federal que garante “uma finalidade pública da máxima relevância” às terras ocupadas por remanescentes das comunidades de quilombos e para assegurar o direito à moradia e manutenção das tradições de uma minoria étnica vulnerável.
Entre outros princípios e fundamentos constitucionais, como o da dignidade humana e o direito ao território como condição para manutenção da identidade étnica e reprodução dos valores tradicionais, a procuradoria também cita a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que prevê a responsabilidade do Estado “de desenvolver, com a participação dos povos interessados, uma ação coordenada e sistemática para proteger seus direitos e garantir respeito à sua integridade”, incluindo medidas para respeitar “sua identidade social e cultural, seus costumes e tradições e suas instituições”.
O MPF ressalta que o Estado deve consultar a comunidade e não tomar medidas que contrariem a vontade dos povos tribais, incluindo quilombolas, conforme a mesma Convenção da OIT. O documento, assinado pela procuradora Nádia Simas Souza, ainda alerta que a restrição proposta ameaça a integridade do grupo e pode agravar a exclusão social, além de promover o “etnocídio”.

Dia Mundial do Refugiado é lembrado com roda de conversa em São Paulo

Daniel Mello
Em São Paulo, o Dia Mundial do Refugiado é marcado com roda de conversa "Mercado de trabalho brasileiro: dificuldades e desafios na integração dos refugiados", no Centro de Referência e Atendimento para Imigrante  - CRAI/SP.O Dia Mundial do Refugiado foi celebrado hoje (20) na capital paulista com música, dança e debates. As expectativas dos que chegam ao Brasil fugindo das dificuldades nos países de origem são o tema principal das composições feitas pelo grupo que participa de uma das oficinas oferecidas pelo Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI) na Bela Vista, região central da cidade.
“Tem as músicas que a gente fez sobre a espera de documentação, de viver de criar algo que possa sustentar a vida deles no Brasil. A pessoa vai exprimir o que ela sente, porque a música alivia”, explica Grevisse Kalala que veio da República Democrática do Congo há quatro anos e atualmente trabalha como atendente no centro de referência.
Kalala conta que deixou seu país natal devido à opressão do regime político. “A gente está passando por momentos que são um pouco de ditadura. A gente não tem liberdade de expressão de falar sobre o que a gente sente”, contou o rapaz de 30 anos que era engenheiro de tecnologia da informação antes de buscar refúgio em São Paulo.
A partir da própria experiência, ele busca agora ajudar outras pessoas que chegam em situação semelhante à dele. “Quando eu cheguei, no começo foi uma vida um pouco  dura, de se adaptar com o idioma, com as pessoas , de entender como a sociedade brasileira funciona. Mas com pouco tempo a gente entende como as coisas funcionam. Hoje, eu estou ajudando aqueles que chegam no Brasil”, diz.

Origens Vir para o Brasil fez com que a palestina nascida na Síria Nour Massoud compreendesse melhor as próprias origens. “Eu estava na Síria toda a minha vida. Vim para cá e descobri que não sou Síria, aqui me tratam como palestina”, contou durante um debate que também fez parte das comemorações no CRAI.
A situação de Nour se complicou com a guerra na Síria. À época ela vivia e trabalhava na Jordânia, mas com o acirramento do conflito no país vizinho, o governo jordaniano decidiu revogar a permanência dos palestinos no seu território. Com dificuldades de ser acolhida em países mais próximos, acabou vindo para o Brasil, onde está há três anos.
Agora, ela ajuda a denunciar as arbitrariedades que o Estado de Israel comete contra os palestinos. Segundo Nour, nessa luta, seu povo tem poucas armas além da cultura e das pedras que os que resistem no local lançam contra os soldados. “A nossa resistência é no dia a dia, é falar o que está acontecendo lá”, enfatiza.

Brasil faz treino preparatório para o jogo contra a Costa Rica

Seleção brasileira começa a preparação para enfrentar a Costa RicaCom Neymar em campo, a seleção brasileira fez mais um treino, na tarde de hoje, no estádio Slava Metreveli, em Sochi, preparando-se para a segunda partida da Copa do Mundo da Rússia, contra a Costa Rica. O técnico Tite comandou uma atividade técnica e tática utilizando apenas a metade do campo, para aprimorar a troca rápida de passes e a marcação sob pressão.
O treinamento começou às 15h, sob forte sol, em condições semelhantes às que a equipe brasileira vai enfrentar em São Petersburgo, na próxima sexta-feira (22). A equipe brasileira também trabalhou as bolas aéreas com origem em cobranças de escanteio e em jogadas pelas laterais. No fim da atividade, os jogadores treinaram cobranças de faltas e de pênaltis.

Neymar participou de todo o treinamento e não mais se queixou de dores no tornozelo direito. Desde a manhã de ontem (19), o camisa 10 esteve sob os cuidados dos fisioterapeutas da seleção, em processo de recuperação após as faltas sofridas na partida de estreia do Brasil contra a Suíça. Segundo a CBF, o jogador mostrou desenvoltura nos movimentos e participou ativamente do trabalho.
O auxiliar-técnico Sylvinho explicou que parte da atividade de hoje foi dedicada ao treinamento das condições que a Costa Rica deverá impor ao Brasil no próximo jogo. "Fizemos um aquecimento rápido, com ativação. Tínhamos um sol bem parecido com o que teremos no jogo de sexta-feira. Corrigimos algumas coisas, mas focamos no nosso estilo de jogo. A parte principal do treino foi um trabalho em meio campo, dois times, um gol apenas. Trabalho com componentes táticos e técnicos, onde se treina o posicionamento", disse.
Segundo Sylvinho, o treinamento seguiu a programação preparada pela comissão técnica brasileira. "O treino foi pausado, respeitando a recuperação dos atletas, já visando o condicionamento que a gente pretende para sexta-feira", disse.
A equipe embarca hoje à noite para São Petersburgo, a cerca de duas horas e meia de voo de Sochi - a base da seleção brasileira. Na véspera do jogo, Tite vai comandar mais um treino antes de enfrentar a Costa Rica. A partida está marcada para as 9h (horário de Brasília), de sexta-feira (22), pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo.
Confira a tabela de classificação da Copa do Mundo.
* Com informações da CBF

“Máquina de livros” visita cidades do país para estimular leitura

Helena Martins
A mágica acontece diante dos pequenos olhos de Catarina Costa, 6 anos. Livros já lidos são transformados em outros, a partir do momento em que ela insere uma obra em uma “máquina de livros”. A experiência chamou a atenção da menina, que já sabe o alfabeto e está aprendendo a juntar as letras. Agora, a vontade de aprender a formar palavras e, a partir disso, mergulhar no universo das histórias aumentou. “Vou ler todos”, disse, segurando nas mãos as obras que ganhou hoje.
Catarina é uma das brasilienses que, até amanhã (21), podem trocar livros no projeto Incrível Máquina de Livros. A van transformada em atrativo lúdico permite o depósito e a entrega imediata dos livros, chamando a atenção de quem passa pela Biblioteca Nacional pelas cores e luzes que ostenta. Organizador da iniciativa, Ricardo Martins conta que o objetivo é incentivar a cultura e, indo além da cultura digital e da dependência de tablets e smartphones, “tirar um pouquinho desse mundo tecnológico e tentar resgatar a paixão pela leitura através do livro físico”.
A inovação tem um objetivo: fazer do encontro com os livros parte do cotidiano. “A gente tentou fugir também de feiras convencionais, onde os livros ficam expostos. [Aqui] é uma forma lúdica, interativa, voltada para as pessoas que estão nas ruas, totalmente gratuita, para que elas possam vir trocar seus livros”, informa Martins. Para participar, é simples: basta trazer para troca livros de literatura em bom estado de conservação.
Da máquina, saem capas coloridas, obras ilustradas, literatura de todos os tipos. E ainda é possível escolher entre obras para crianças ou para pessoas mais velhas. Com 12 anos, Isadora Costa se diz apaixonada por livros desde os 8 anos. “Meu pai sempre gostou muito de ler e tinha livros em casa, aí ele me emprestou e disse que, se eu gostasse, poderia pegar outro. Aí adorei, peguei mais; adorei, peguei mais. Aí comecei a amar os livros a partir daí. Todo dia eu leio um pouquinho, não importa qual o livro”, conta.
O projeto é da Infinito Cultural e iniciada em São Paulo, no ano passado, com “o maior sucesso”, segundo Martins. A partir de então, com o apoio do Ministério da Cultura, os organizadores projetaram a expansão da iniciativa. A mesma van que promove a “mágica” leva a equipe de três pessoas para diferentes cidades do país. Brasília é a décima visitada por eles. A expectativa é de que sejam atendidas, ao todo, 21 cidades de 13 estados, perfazendo mais de 16 mil quilômetros rodados.
Depois do Distrito Federal, o projeto segue para Porto Alegre, Florianópolis, Blumenau (SC), Curitiba, Londrina (PR), São Paulo, Guarulhos (SP), Campinas (SP), Barueri (SP), São Bernardo do Campo (SP) e Ribeirão Preto (SP). A lista das cidades que serão visitadas e mais informações podem ser conferidas no perfil do projeto em rede social: https://www.facebook.com/incrivelmaquinadelivros/.

Sobe para seis número de mortos em operação no Complexo da Maré

Vladimir Platonow
Subiu para seis o número de mortos em uma operação coordenada pela Polícia Civil no Complexo da Maré, na manhã de hoje (20). Segundo nota divulgada pela instituição, todas as vítimas tinham envolvimento com o tráfico de drogas da região.
A força-tarefa da Polícia Civil contou com apoio do Exército Brasileiro e da polícia judiciária da Força Nacional. A polícia divulgou que o objetivo da ação era o cumprimento de 23 mandados de prisão.
Segundo a polícia, houve resistência dos criminosos, o que gerou intenso tiroteio.
"Durante as ações desenvolvidas, especificamente em dois imóveis próximos, as equipes depararam-se com intensa resistência dos criminosos, dos quais seis elementos restaram feridos e, embora devidamente socorridos, vieram a óbito em virtude dos ferimentos."

Apreensões De acordo com a polícia, foram apreendidos quatro fuzis calibre 5.56mm, oito carregadores, farta quantidade de munição de fuzil e pistola, duas pistolas, sendo uma calibre .40 e outra calibre 9mm, quatro granadas, 1.832 pinos de cocaína, 75 sacolés de maconha, cerca de 2 kg de maconha, além de ferramentas utilizadas para arrombamento de caixas eletrônicos.
O adolescente Marcos Vinicius da Silva, de 14 anos, foi atingido por uma bala perdida e levado em estado grave para o Hospital Getúlio Vargas, onde passou por cirurgia.

BNDES libera R$ 508 milhões para melhorias em aeroporto de Confins

Douglas Corrêa
A concessionária BH Airport vai receber um financiamento de R$ 508 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a quitação de um empréstimo-ponte e a realização de obras de ampliação e modernização previstas no contrato de concessão do Aeroporto Internacional Tancredo Neves – Confins, em Minas Gerais.
Os recursos correspondem a 52% do valor total do projeto, no valor de R$ 983 milhões e a 69% do investimento financiável. O prazo total do financiamento é de 208 meses, pouco mais de 17 anos.
A verba será usada na ampliação e modernização do aeroporto, que devem ser realizados até dezembro deste ano. Entre as melhorias estão a expansão de serviços aeroportuários (pontes de embarque, posições para aeronaves, balcões de check-in, canais de inspeção de passageiros) e de comodidades (lojas, restaurantes, praça de alimentação, vagas de estacionamento).
rande parte dos investimentos no aeroporto de Confins já foi realizada com os R$ 406 milhões antecipados pelo empréstimo-ponte do BNDES em 2015. Como resultado, a capacidade do aeroporto dobrou, chegando hoje a 22 milhões de passageiros/ano.
Desde meados de 2014, quando começou a concessão do aeroporto, o índice de satisfação do passageiro de Confins passou de 3,31 para 4,62 (em uma escala de 0 a 5), conforme Pesquisa Permanente de Satisfação do Passageiro realizada pelo Ministério dos Transportes. O aeroporto é hoje um dos três melhores do país.

FMI aprova formalmente plano de assistência à Argentina por US$ 50 bi

Agência EFE 
O Diretório Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou nesta quarta-feira (20), formalmente, o plano de assistência financeira à Argentina, no valor de US$ 50 bilhões e de três anos de duração, destinado a "reforçar a economia" e recuperar "a confiança dos mercados".
"A decisão do Diretório permite às autoridades realizar uma compra imediata de US$ 15 bilhões. A metade desse montante (US$ 7,5 bilhões) será destinada ao apoio orçamentário", indicou o Fundo, em comunicado.

Além disso, ressaltou que o programa macroeconômico proposto pelo governo do presidente Mauricio Macri "reduz as necessidades de financiamento, canaliza a dívida pública argentina por uma trajetória descendente firme e assegura o plano de redução da inflação mediante metas mais realistas e o fortalecimento da independência do Banco Central".

Os US$ 35 bilhões restantes estarão disponíveis ao longo da duração do acordo, subordinados a avaliações trimestrais da organização, embora as autoridades argentinas já tenham informado por enquanto que serão tratados "com caráter precautório".

O programa estabelece como metas fiscais um déficit primário de 2,7% do PIB neste ano e de 1,3% em 2019 e alcançar um equilíbrio primário em 2020, assim como uma paulatina queda da inflação a 17% para 2019 e 13% para 2020.

A instituição dirigida por Christine Lagarde ressaltou que o plano "inclui medidas para proteger os segmentos mais vulneráveis da sociedade mantendo a despesa social e, caso as condições sociais piorem, abrindo margem para aumentar a despesa na rede de proteção social argentina".

O presidente argentino Macri negociou um plano com o Fundo para atenuar a abrupta desvalorização da moeda do começo de maio e que inclui, além disso, que o Banco Central deixe flutuar livremente a taxa de câmbio e não seguirá intervindo para aplacar o avanço do dólar.

Aos US$ 50 bilhões do FMI, se somarão outros US$ 5,65 bilhões que a Argentina receberá do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), assim como do Banco Mundial e do CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina.

Incra decide revogar resolução que reduzia área do Quilombo Mesquita

Débora Brito
O Quilombo do Mesquita, comunidade bicentenária situada a 50 Km de Brasília, corre o risco de ter território reduzido em mais de 80%.O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) decidiu hoje (20) revogar a resolução que permitiria a redução do território do Quilombo Mesquita, situado na Cidade Ocidental (GO), a cerca de 50 quilômetros de Brasília. 
De acordo com a Resolução nº 12, publicada no mês passado, o Conselho Diretor do Incra aprovou um requerimento de redução de 4,2 mil para 971,4 hectares na área onde vivem os remanescentes de quilombolas.
Segundo a assessoria de imprensa do Incra, a decisão de revogar a redução do território foi tomada na manhã desta terça-feira depois que a autarquia foi notificada pelo Ministério Público Federal e enquanto o Conselho Diretor da Instituição rediscutia a questão do quilombo.
O MPF de Goiás argumentou que a resolução do Incra desconsidera os relatórios estudos feitos pelo próprio órgão e ignorava a vontade da maioria da comunidade. Os quilombolas temiam que a redução em quase 80% do território pudesse gerar um efeito precedente para outras comunidades do país.
A nova resolução com a exclusão dos artigos referentes à possibilidade de redução do quilombo será publicada na edição de amanhã (21) do Diário Oficial da União.

Um morre durante confronto de facções e troca de tiros com a PM na Comunidade Beira Rio, em Natal

Um confronto entre policiais militares do Batalhão de Choque e criminosos, no fim da noite dessa terça-feira(19), por volta das 23h30, na comunidade Beira Rio, na Zona Norte de Natal.
Segundo a PM, durante um confronto entre facções criminosas, uma viatura do Batalhão de Choque da Polícia Militar, que passava pelo local, foi alvo de disparos. Na ocasião, houve revide e um homem morreu. Informações preliminares dão conta que cerca de 15 homens estavam envolvidos no confronto entre facções. Os outros envolvidos no confronto conseguiram fugir.
Ainda segundo a Polícia Militar, na ação, um revólver calibre 38 e cinco munições, sendo duas deflagradas, foram apreendidos.
BG

Governo do RN convoca 384 professores efetivos para rede estadual; veja lista

A edição desta quarta-feira (20) do Diário Oficial do RN traz a convocação de 384 professores para compor o quadro efetivo da rede estadual de ensino. Essa é mais uma importante convocação realizada na atual gestão do Governador Robinson Faria, referente ao concurso do edital 001/2015, que já convocou mais de cinco mil candidatos. Só neste mês de junho, já ocorreram duas convocações para esse concurso, totalizando 451 candidatos chamados.
As vagas são para diversas áreas de conhecimento, tais como pedagogia (anos iniciais e educação especial), física, química, ciências biológicas, sociologia, geografia, filosofia, ciências biológicas, história, artes, língua espanhola, língua inglesa, língua portuguesa e matemática.
Para tomar posse, os candidatos devem apresentar os seguintes exames médicos: atestado de sanidade mental, válido por trinta dias; hemograma; glicemia em jejum; sumário de urina com sedimentoscopia; parasitológico de fezes. Esses documentos têm que ter a validade de 90 dias. As candidatas gestantes devem apresentar laudo de ginecologista atestando estarem isentas dos exames de radiologia. Os professores devem também portarem com validade de 6 meses documentos de eletrocardiograma com parecer de um cardiologista, e o raio x do tórax em PA e Perfil com laudo de um radiologista.
Os convocados com idade igual ou superior a 45 anos do sexo masculino devem apresentar dosagem PSA; citologia oncótica para candidatos do sexo feminino, com parecer de médico ginecologista; mamografia para o sexo feminino com idade igual ou superior a 45 anos com parecer de médico mastologista.
A inspeção médica admissional será feita pela Comissão Permanente de Inspeção Médica Oficial, situada na sede da SEARH/RN, Centro Administrativo do Estado, Lagoa Nova, Natal. O atendimento deve ser agendado através do telefone (84) 3232-1056, no horário de 8h às 12h.
Devem ser apresentados também, conforme prevê o edital, o diploma de conclusão de curso com habilitação para o cargo, devidamente registrado por órgão competente, e os documentos pessoais: cópia de cédula de identidade, cópia de cadastro de Pessoa Física – CPF, comprovante de residência, cópia do título de eleitor e declaração de quitação eleitoral, cópia da certidão de reservista (sexo masculino), cópia de CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social (página com foto – frente e verso e todos os contratos de trabalho assinado e a seguinte em branco, cópia do PIS ou PASEP, cópia de certidão de nascimento ou casamento, atestado de saúde ocupacional habilitando o candidato para o exercício do cargo expedido por Junta Médica Oficial.
O candidato deve apresentar o número da conta bancária e agência em nome do titular da conta (conta do Banco do Brasil), certidão negativa de antecedentes criminais expedidas pelas Justiça estadual e federal, assim como, pela Polícia Civil da localidade em que o candidato possuir residência nos últimos cinco anos, e cópia da carteira de inscrição no Conselho Regional de Educação Física para os convocados de Educação Física.
Confira a lista completa com os nomes dos candidatos convocados clicando aqui.

Fifa define árbitro holandês para duelo do Brasil com a Costa Rica

A Fifa divulgou, nesta quarta-feira (20), a escolha do holandês Björn Kuipers como árbitro do jogo entre Brasil e Costa Rica, que será realizado nesta sexta-feira (22), às 9h (horário de Brasília), pelo Grupo E da Copa do Mundo da Rússia.
Neste Mundial, Björn Kuipers apitou a partida entre Egito e Uruguai, que não teve polêmicas ou sequer o uso do VAR, e acabou com a vitória uruguaia por 1 a 0, com um gol de cabeça do zagueiro José Maria Gimenéz nos últimos minutos de jogo.
O holandês foi o árbitro da final da Copa das Confederações em 2013, na vitória brasileira por 3 a 0 sobre a Espanha, e apitou 3 partidas no Mundial de 2014: Inglaterra e Itália (1-2), Suíça e França (2-5) e Colômbia e Uruguai (2-0).
Neste ano, Kuipers apitou a seminifinal da Liga dos Campeões da Europa entre Bayern de Munique e Real Madrid na Allianz Arena, na Alemanha, marcada pela vitória merengue fora de casa, por 2 a 1. Mais tarde, o Real se sagrou vencedor da Liga dos Campeões.
A partida entre Brasil e Costa Rica será realizada nesta sexta-feira (22), às 9h (horário de Brasília), no Estádio Krestovsky, em São Petesburgo. O Brasil tem 1 ponto conquistado no Grupo E após o empate com a Suíça, enquanto a Costa Rica perdeu para a Sérvia e não pontuou. A Sérvia lidera o Grupo E com 3 pontos.
R7

Oito crianças brasileiras estão isoladas de pais imigrantes presos nos EUA


É só uma vez por semana, no sábado, que a brasileira Maria de Bastos fala com o neto com quem viajou aos EUA —por telefone.
A avó foi separada do adolescente de 16 anos, que é autista e tem severos ataques epilépticos, depois que atravessou a fronteira americana, pedindo asilo. Apesar de ter o pedido inicialmente admitido, ela foi detida, e o menino, enviado a um abrigo a 3.500 quilômetros de distância.
“Ele liga para ela e chora, perguntando quando ela irá voltar”, relata o advogado Eduardo Beckett, que acompanha o caso. “Ela está devastada.”
A história se soma à de pelo menos outras oito crianças brasileiras que foram separadas dos pais ao atravessarem a fronteira dos EUA, segundo informou à Folha o consulado brasileiro em Houston.
Os dados são das últimas seis semanas, período que coincide com o início da política de tolerância zero da administração de Donald Trump com a travessia ilegal da fronteira.
“É um número muito alto”, diz o cônsul-geral adjunto em Houston, Felipe Costi Santarosa. No passado, o número de casos similares era de dois ou três por ano. Agora, são cerca de quatro por mês.
As crianças brasileiras estão em abrigos nos estados da Califórnia e do Arizona. Têm entre 6 e 17 anos. Algumas são irmãos, e choram juntos pela distância da família.
Elas chegaram aos EUA com os pais ou guardiões legais, que foram processados por travessia ilegal da fronteira e enviados a prisões federais —algo que não ocorria antes do governo Trump. Crianças, por lei, não podem permanecer nesses estabelecimentos, e por isso são encaminhadas a abrigos espalhados pelo país.
Nos casos atendidos pelo consulado do Brasil, as mães estão detidas no Texas ou no Novo México, a cerca de 500 km de distância dos filhos. Muitas não sabiam o paradeiro das crianças havia semanas, até serem contatadas pelas autoridades brasileiras.
“Foi emocionante”, diz Santarosa, sobre um dos casos em que a mãe conseguiu falar por telefone com o filho após dias de separação.
Por ora, o consulado tem atuado majoritariamente para restabelecer o contato entre as famílias. Mas nenhuma delas foi reunida até aqui.
Os próximos passos serão avaliados caso a caso. Uma das crianças brasileiras, por exemplo, está perto de completar 18 anos —quando deve sair do abrigo de menores e ser transferida a um centro de detenção para imigrantes.
Em outros casos, se a prisão dos pais se arrastar por muitos meses, pode ser avaliada a possibilidade de pedir a deportação do menor para a família no Brasil.
Santarosa destaca que a condição dos abrigos é boa e que as crianças são mantidas junto com menores da mesma idade. Não há notícias de maus-tratos.
“O problema mesmo é a separação”, diz. O consulado já foi contatado pelas próprias instituições, na tentativa de localizar os pais das crianças, pelas famílias no Brasil ou por advogados. Em todos os casos, a mãe ou o guardião legal estava detido pelas autoridades de imigração.
Em seis semanas, pelo menos 2.000 crianças imigrantes foram separadas de seus pais nos Estados Unidos, segundo dados do governo.
A lotação dos abrigos está próxima de 100%. Um deles, um antigo supermercado, abriga quase 1.500 crianças —a maioria delas migrou sozinha, fugindo da violência em países da América Central, onde são recrutadas à força por gangues. Mas parte foi separada dos pais, detidos em presídios federais.
Em um centro de imigrantes na fronteira, crianças dormem em colchonetes espalhados pelo chão, debaixo de cobertas térmicas com aspecto de papel alumínio.
O espaço, um grande galpão, é dividido por grades que formam uma espécie de “gaiola” gigante. Lá, as crianças são detidas junto com familiares adultos, antes de serem separadas.
O governo Trump argumenta que está cumprindo a lei, ao punir crimes de imigração que antes não eram responsabilizados, e culpa os democratas por terem editado as regras que exigem a separação de crianças.
Bastos, que está detida há dez meses, ainda aguarda definição sobre seu caso de asilo. Um parecer do Departamento de Crianças e Famílias americano, que administra os abrigos, conclui que o menino “está tendo muitas dificuldades em seu novo ambiente” e que “a presença da avó seria benéfica”. A decisão final caberá ao juiz de imigração.
GOVERNISTAS PROPÕEM LEI E DEMOCRATAS PROCESSAM TRUMP
Diante de críticas generalizadas à separação de famílias de imigrantes na fronteira, que mobilizou a oposição, a ONU (Organização das Nações Unidas) e até a primeira-dama Melania Trump, senadores republicanos anunciaram nesta terça-feira (19) que vão propor uma lei para proibir a prática.
Segundo o senador Mitch McConnell, líder da maioria governista, o grupo vai “apoiar um plano que mantenha famílias unidas”, mas não deu detalhes sobre a proposta.
A proposta dos republicanos foi bem recebida pelo presidente. “O sistema de imigração está falido há anos. Nós vamos resolvê-lo”, afirmou.
Mas, do outro lado, o estado de Nova York anunciou que irá processar o governo Trump por violar a Constituição e os direitos das crianças.
“É uma falha moral e uma tragédia humana”, comentou o governador e democrata Andrew Cuomo. Nova York tem ao menos 70 crianças detidas em abrigos no estado.
A Casa Branca argumenta que não pode manter crianças em presídios federais —por isso, a separação. O governo tenta diminuir o fluxo de imigrantes, que Trump associa à perda de empregos e ao avanço da criminalidade.
A proposta da nova lei imigratória deve ser finalizada nos próximos dias. Trump quer que ela inclua verbas para o muro na fronteira com o México, acabe com o sistema de loteria de vistos e permita a detenção e remoção de famílias em grupo, para evitar sua separação.
Folha de São Paulo

Neymar participa normalmente de treino e viaja com a Seleção para duelo contra a Costa Rica

A situação de Neymar ganhou mais tranquilidade nesta quarta-feira. A CBF informou que o atacante participou do treino com o grupo da Seleção Brasileira sem restrições, no dia seguinte a deixar a atividade mancando e com dores no tornozelo direito. O treino não foi aberto à imprensa.
Em sua conta no Twitter, a CBF publicou três fotos de Neymar fazendo atividades com os companheiros, inclusive com bola. A entidade já havia avisado que essa era a programação do craque para esta quarta. Assim, ele deve viajar com o grupo nesta noite para São Petersburgo, onde o Brasil encara a Costa Rica na próxima sexta-feira.
Neymar sofre com dores no tornozelo direito desde a estreia contra a Suíça, quando recebeu dez das 19 faltas da Seleção no jogo. Desde então, tem feito tratamento. Na terça, deu susto ao deixar o treino no início mancando e com dores no tornozelo após leve contato com a bola. Mas a CBF insistiu que não era preocupação e que o atacante seguiria a programação normal.
É uma situação incomum na carreira do atleta, que quase nunca sofreu com problemas físicos. Esse ano, operou o dedinho do pé direito e ficou três meses fora. A primeira lesão séria foi justamente na Copa de 2014 no Brasil, quando teve a coluna fraturada após uma joelhada nas costas do colombiano Zuñiga.
A Seleção Brasileira embarca para São Petersburgo às 16h30 (de Brasília) e deve chegar por volta de 19h30 na cidade. Treina nesta quinta-feira no estádio da partida e enfrenta a Costa Rica no domingo às 9h.
Lancenet

Brasil pode se tornar grande exportador de petróleo, diz executivo

Cristina Índio do Brasil
Plataforma de petróleoO Brasil poderá ser um dos cinco maiores exportadores de petróleo em 2026. A expectativa do diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Ferreira Coelho, se baseia na combinação do crescimento da produção com a falta de expansão da área de refino no país.
Ele disse que o aumento da produção tem se repetido e a perspectiva é que prossiga neste ritmo nos próximos anos. Estudos da EPE indicam que, em 2026, o país vai atingir 5,2 milhões de barris de petróleo (óleo e gás) por dia, enquanto o parque de refino tem capacidade de processar cerca de 2,2 milhões de barris.

“O que a gente vê no horizonte de dez anos é uma dificuldade em novos investimentos de refino e que nós estaremos exportando algo em torno de 3 milhões de barris de petróleo em 2026. Além de ser um grande produtor, que já é muito importante, nós seremos um grande exportador, exportando 3 milhões de barris de petróleo por dia. Isso fará com que o Brasil esteja entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Muito possivelmente estaremos atrás apenas, em nível de exportação, da Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Canadá”, disse em entrevista à Agência Brasil.
Atualmente, o Brasil faz parte da lista dos dez países maiores produtores de petróleo. De acordo com números Agência Internacional de Energia (International Energy Agency, em inglês), com a produção média diária, em 2017, de 3,2 milhões de barris petróleo (petróleo e gás natural em óleo equivalente, o que se chama de barril de óleo equivalente - boe), além de entrar para o grupo e ocupar o nono lugar, o Brasil ultrapassou o Kuwait, um dos integrantes da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep). O Kuwait registrou em 2017 a produção de 3,1 milhões de barris.

Aumento da participação “Sem dúvida, o Brasil vai ter ainda uma participação bem maior neste mundo do petróleo do que a que ele tem atualmente e do que está sendo projetado pela Agência Internacional de Energia para 2018. Pode subir mais no ranking”, afirmou o diretor da EPE.
Com este ranking, o Brasil começa a ter uma importância relevante na geopolítica mundial do petróleo. “É claro que isso impacta o mercado internacional de petróleo e, consequentemente, impacta o preço do barril de petróleo. Então, dentro dos países produtores, o Brasil começa a ter uma importância maior no jogo do petróleo no mundo, do preço do petróleo no mundo e também nessa balança entre oferta e demanda de petróleo”, afirmou.
O executivo destacou, no entanto, que, como não faz parte da Opep, o Brasil não precisa se submeter aos limites adotados por integrantes deste grupo. “Eles impõem aos associados limites de cotas de exportação. Como o Brasil não faz parte dessa associação, ele não tem nenhum limite de cota de exportação estabelecido. O Brasil não tem que conversar com ninguém sobre a sua produção de petróleo ou a sua exportação de petróleo, o que pensa em produzir ou exportar”, completou.

Relevância Para José Mauro, a relevância do Brasil no mercado mundial de petróleo vai subir quando o país passar a ser um dos cinco maiores exportadores. Para ele, efetivamente, o que mexe com o mercado internacional de petróleo não é a quantidade de produção, mas a capacidade do país em botar petróleo no mundo para vendido.
“Não adianta ser um grande produtor e ser também um grande consumidor. Aí, eu não coloco petróleo no mundo para ser comercializado, mas quando sou um grande exportador, passo a ter influência significativa no mercado de petróleo, influenciando, inclusive, os preços de petróleo”, observou.
Apesar de dizer que cabe ao governo federal a avaliação cuidadosa do interesse do Brasil de integrar a Opep, ele não vê, neste momento, uma necessidade de o país entrar para o grupo. “Isso tem que ser avaliado com calma em nível ministerial”.

Investimentos Segundo o diretor, o menor risco na exploração da área do pré-sal atrai maior número de empresas para investimentos em projetos na região, o que contribui para o aumento da produção brasileira.
“Essas reservas do pré-sal, além de serem de baixo risco exploratório, são áreas de grandes volumes. Na verdade, isso aumenta muito a atratividade das empresas internacionais em investir no Brasil na área de exploração e produção. Outro fator é a segurança jurídica e regulatória que existe no Brasil, diferente de outros países produtores de petróleo”, afirmou, acrescentando, que o cronograma de leilões de blocos exploratórios mantidos pelo governo federal também favorece ao ambiente de investimentos.
“Acho que isso também dá um sinal positivo para as empresas que atuam no setor de que o Brasil tem uma previsibilidade em relação a esta atividade de produção de petróleo e gás natural no país. Isso acaba mobilizando não só a Petrobras, mas também outras empresas internacionais”, disse.

Importação de derivados Mesmo com perspectivas positivas, o diretor alertou para a necessidade de o país investir mais em parques de refino para reduzir a importação de derivados, como GLP, nafta, óleo diesel, querosene de aviação e gasolina.
Segundo a EPE, em 2017 foram 547 mil barris/dia. Nos quatro anos anteriores, somente nos anos de recessão 2015 (362 mil barris/dia) e 2016 (430 mil barris/dia) houve um patamar menor. Em 2013, foram 439 mil barris/dia e, em 2014, 442 mil barris.
Nos quatro primeiros meses de 2018, foram importados 179 mil barris/dia de derivados. Pelos cálculos da EPE, o ano deve fechar com importações de aproximadamente 535 mil barris/dia.
“Nós temos um parque de refino que não é capaz de processar todo o petróleo que produzimos. Deveríamos ter mais investimentos em refino no Brasil para que pudéssemos abastecer o mercado nacional de derivados sem a necessidade de importação”, indicou.

O diretor observou, ainda, que nos próximos dez anos a importação de derivados pode alcançar 800 mil barris/dia, especialmente, óleo diesel. A perspectiva representa um desafio para a necessidade de captar investimentos em refino.
De acordo com o executivo, hoje 98% do parque de nacional são da Petrobras, que está priorizando os investimentos na área de exploração e produção de petróleo onde tem retorno maior, mas novos estudos estão sendo feitos para aumentar os investimentos em refino.

Rodas de samba dão vida às músicas redescobertas pelos agrupamentos

Camila Maciel
As músicas redescobertas pelo Glória ao Samba e outros agrupamentos, organizações que se dedicam a resgatar do esquecimento antigos sambas, são revividas para o público em rodas, sempre gratuitas, que homenageiam compositores da velha guarda ou escolas. “O que a gente quer é transmitir, da maneira mais fidedigna possível, aquilo que era feito. A gente só coloca na roda quando a gente tem certeza de que o samba é daquela maneira”, disse Rafael Lo Ré, integrante do agrupamento Glória ao Samba.
As músicas são relembradas pelos antigos sambistas e levadas depois para as rodas de samba. De acordo com Lo Ré, às vezes a roda de samba também é feita para acertar detalhes da música diretamente com o compositor. “Nós fizemos um ensaio para poder colocar o samba [do compositor Binha do Salgueiro, que revelou a Lo Ré a canção Em 59, balançamos a roseira]. Eu mostrei para ele pelo telefone a forma em que estávamos cantando e ele deu uma corrigida no andamento”, contou.
Quando o sambista homenageado já morreu, são convidados filhos, amigos e familiares. “A gente trouxe todos os quatro filhos do Silas de Oliveira. A gente faz de tudo pra fazer essas rodas e a maneira que a gente tem de agradecer é trazê-los para que eles vejam o trabalho que a gente faz de cantar o samba, a exaltação que é feita aos que produziram aquelas obras”, contou Lo Ré. Djalma Sabiá toma esses momentos como celebrações da vida: “Até quando a gente virar saudade”.

Escolas e compositores Dona Leda canta na roda de samba que homenageou o centenário do sambista Silas de Oliveira (Juliana Vitulskis/Direitos reservados)Nas rodas, já foram homenageadas escolas de samba como Salgueiro, Império Serrano, Portela, Mangueira, e também compositores como Manacéa, Silas de Oliveira e Geraldo Pereira. Além disso, sambas de escolas menores, algumas já extintas, também são revividos nessas apresentações. “A gente quer cantar sambas desses desconhecidos, que não são comerciais, desses compositores que são grandes valores, mas que ninguém conhece. Estão aí perdidos”, explicou Mathias.
Nos últimos dez anos, algumas homenagens foram feitas com os sambistas ainda em vida. Foi o caso da roda de samba que trouxe as relíquias do Morro do Salgueiro. Foram cantadas músicas do tempo em que a atual escola estava dividida em três: Azul e Branco, Depois Eu Digo e Unidos do Salgueiro. Jorge Cardoso, Jarbas Soares (o Binha), Jorge Bombeiro foram alguns dos grandes nomes presentes. “Vieram muitos para cá [São Paulo]. Eles se organizaram, pegaram uma van no Rio e vieram participar dessa roda. Quase todos já faleceram”, contou Lo Ré.

A cada apresentação, os cerca de 20 integrantes do Glória ao Samba aprendem as músicas que foram descobertas para exaltar o antigo compositor. “Imagina a homenagem do Salgueiro. Tínhamos 100 sambas inéditos para aprender em dois meses e a rapaziada foi. Todo mundo com o mesmo envolvimento. Cada um tem uma função, mas todos têm o mesmo envolvimento”, reforçou Mathias. No agrupamento, não há quem esteja dedicado apenas ao trabalho como sambista. São advogados, jornalistas, filósofos, técnico de edificações, almoxarife, lustrador de móveis, soldador que se uniram pelo amor ao samba.

Instrumentos tradicionais Nas rodas de samba, eles utilizam apenas instrumentos que faziam parte das apresentações do início do século passado. “A gente busca bater no couro. Não utilizar esses instrumentos trazidos a partir do final dos anos 70 pra cá. A gente gosta de tocar mesmo com tamborim, pandeiro, cavaquinho, violão, reco-reco, agogô”, exemplificou Lo Ré. Também entram na roda o surdo e a cuíca. Ele explica que banjo, tantan e repique de mão, por exemplo, foram inseridos no samba no final da década de 1980. A cantoria também é no gogó e no coro dos participantes, assim como nos primórdios do samba.
Além dos instrumentos, essa “ambiência do samba antigo”, como eles se referem, se expressa também na comida, nas gírias e no modo de conversar, criando uma identidade própria. “A rapaziada que gosta desse tipo de samba, não quero que soe pretensioso, mas é tipo um estilo de vida”, afirmou Mathias. Feijoada, cozido, moela são exemplos do que é ofertado aos participantes das rodas. Tudo gratuito. “A gente também não está preso, ancorado, no passado. Eu não preciso meter essa beca de sambista das antigas, mas são valores”, reforçou o músico.

Histórias das rodas As rodas de samba ajudam também na caçada em busca de sambas perdidos, como ocorreu em muitas histórias contadas pelos integrantes do agrupamento paulistano. Uma delas se passa em um bar carioca na comemoração de um aniversário que reuniu nomes como Iranette Barcellos, a Tia Surica da Portela, e Jarbas Soares, o Binha do Salgueiro. Logo uma roda de samba se formou. Entre os homenageados em forma de música estava o compositor portelense Manacéa, morto em 1995. Não demorou para que eles fossem surpreendidos com uma presença na mesa ao lado.
“Vocês estavam cantando um samba do Manacéa. A família dele está aqui, eu sou genro. Vocês cantaram o samba que a dona Neném mais gosta”, disse Marcos, até então, um desconhecido. A viúva do compositor, Yolanda Andrade, ouviu emocionada a música Tantas Mulheres Amei, uma declaração de amor a ela. “Eu vou fazer um almoço amanhã e queria que vocês fossem lá em casa”, convidou dona Neném. “Nasceu uma amizade que resultou numa homenagem ao Manacéa, um ano depois”, relembrou Mathias. Em 2010, o quintal dela, que já havia sido palco de ensaios da primeira formação da Velha Guarda da Portela, nas décadas de 1960 e 70, recebeu novos amantes do samba antigo.

Copom divulga hoje taxa básica de juros

Kelly Oliveira
O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) define hoje (20) a taxa básica de juros, a Selic. A decisão será divulgada às 18h. Para instituições financeiras consultadas pelo BC, a Selic deve ser mantida no atual patamar – 6,50% ao ano até o final de 2018. Em maio, após um ciclo de 12 quedas consecutivas, o Copom decidiu manter a Selic no atual patamar – menor nível histórico. Para 2019, as intuições financeiras esperam por aumento da Selic, encerrando o período em 8% ao ano.
O diretor executivo de Estudos e Pesquisas da Associação Nacional dos Executivos em Finanças (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, também acredita na manutenção da Selic. “Mas, essa é uma reunião que tanto o Banco Central teria motivos para subir a taxa de juros quanto teria motivos para manter ou reduzir”, disse. Segundo ele, os juros poderiam ser reduzidos para estimular a economia, em recuperação lenta e com alta taxa de desemprego. “Seria possível reduzir os juros, porque a atividade econômica está muito ruim e tem inflação baixa que permite isso. Entretanto, temos um horizonte de incertezas eleitorais. Isso leva o Banco Central a ser mais cauteloso”, acrescentou. Por outro lado, Oliveira explica que a alta do dólar pressiona a inflação, por meio de produtos e insumos importados. Esse poderia ser um motivo para elevação, mas o BC já deixou claro que a política monetária brasileira não reage de forma automática à alta do dólar. Para o BC, os choques externos devem ser combatidos apenas no impacto secundário que poderão ter na inflação prospectiva.
Para o superintendente da Assessoria Econômica da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), Everton Pinheiro de Souza Gonçalves, não há sinais evidentes de excesso de demanda e de alteração significativa no balanço de riscos de inflação. Por isso, na avaliação dele, o BC deve manter a Selic.
Gonçalves acredita que para as próximas reuniões o Copom deve monitorar os impactos da alta do dólar nos preços. “A elevação dos prêmios de risco, agravada pelo conturbado cenário político, desfavorece as decisões de investimentos e consumo e mitiga as possibilidades de pressão pelo lado da demanda. O risco maior advém da provável intensificação da volatilidade, por causa das incertezas originadas pelas perspectivas oferecidas pelo cenário eleitoral e pelo ritmo do processo de normalização monetária nos Estados Unidos", analisou Gonçalves.
Com a alta dos juros dos Estados Unidos, investidores com capital aplicado em países emergentes, como o Brasil, podem preferir aplicar em títulos do Tesouro americano. Este é um dos efeitos que fazem com que o dólar se valorize em relação ao real. A menor oferta de moeda americana no mercado de câmbio nacional eleva o seu preço.

Inflação
Para Gonçalves, a alta do dólar e a greve dos caminhoneiros elevaram pontualmente a inflação. A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou de 0,22% em abril para 0,40% em maio, tendência que deve persistir em junho, na avaliação do economista. Entretanto, ele acrescenta que há “boas chances” de essa alta se dissipar no médio prazo.
Segundo previsão de instituições financeiras, a inflação ainda está abaixo da meta que deve ser perseguida pelo BC. Para o mercado financeiro, o IPCA vai fechar este ano em 3,88%. Para 2019, a estimativa é 4,10%.
Ao definir a taxa Selic, o BC está mirando na meta de inflação, que é de 4,5% neste ano, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.
A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.
Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Entretanto, as taxas de juros do crédito não caem na mesma proporção da Selic. Segundo o BC, isso ocorre porque a Selic é apenas uma parte do custo do crédito.
Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ultrapassar a meta de inflação.
A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC.
Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Solidariedade é o tema do Dia Mundial do Refugiado, celebrado hoje

Marieta Cazarré
Venezuelanos aguardam vagas em abrigos para refugiados em Boa Vista.Atualmente, ao redor do mundo, 68,5 milhões de pessoas estão deslocadas de seus lares, vítimas de conflitos, perseguição, violência e desastres naturais. No Dia Mundial do Refugiado, comemorado hoje (20) a mensagem do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados ( Acnur), agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para os refugiados, é de que a solidariedade e a disposição em ajudar essas pessoas devem ser uma responsabilidade global e compartilhada.
"Hoje é um dia para mostrar a nossa solidariedade com os refugiados e com as comunidades que os acolhem. Um novo modelo baseado em equidade e justiça, bem como em valores e padrões humanitários, está sendo testado e produzindo resultados positivos. Os países e comunidades anfitriãs devem receber apoio mais sistemático e de longo prazo para assumir a tarefa de ajudar as famílias deslocadas. Os próprios refugiados precisam ser incluídos em suas novas comunidades e ter a oportunidade de desenvolver seu potencial. Além disso, são necessárias soluções para ajudar os refugiados a voltar para suas casas quando as condições permitem ou para reconstruir suas vidas em outros lugares. O Pacto Global sobre Refugiados, cuja adoção está prevista para este ano, visa atingir esses objetivos", afirmou hoje, em nota, Filippo Grandi, alto comissário da Acnur.

Sistema internacional de proteção Segundo a ONU, a proposta do pacto, que deve ser concluída até o fim deste ano, é superar as falhas no sistema internacional de proteção, garantindo um apoio mais consistente e igualitário às comunidades de que recebem os deslocados. Um dos pressupostos é fortalecer os sistemas nacionais de saúde e educação desses países para dar assistência a quem chega.
A ideia substituiria práticas vigentes, que colocam refugiados em campos e criam redes paralelas de serviços. A proposta parte do princípio de que os refugiados podem continuar a aprender e desenvolver habilidades para sustentar suas famílias, enquanto estão em situação de refúgio e reconstruir suas vidas ao retornarem aos seus países de origem.
"São os cidadãos e as comunidades locais que estão na linha de frente quando os refugiados chegam e essa recepção pode fazer a diferença entre rejeição e inclusão, entre desespero e esperança, entre cair na marginalização e construir um futuro", afirmou Grandi.

Migrantes, refugiados e asilados Apesar de os termos migrante, refugiado e asilado serem utilizados muitas vezes como sinônimos, há diferenças entre os três conceitos. Os migrantes são pessoas que se mudam, seja dentro do próprio país ou para fora, normalmente por iniciativa própria, em busca de melhores condições de vida, e não por sofrerem perseguições ou viverem em zonas de conflito.
Já os refugiados são pessoas que deixam seus países por temores de perseguição, conflito, violência ou outras circunstâncias que perturbem seriamente a ordem pública. As situações enfrentadas são frequentemente tão perigosas e intoleráveis que estas pessoas decidem cruzar as fronteiras nacionais para buscar segurança em outros países. Eles são assim reconhecidos por ser extremamente perigoso retornar a seus países de origem e, portanto, precisam de refúgio em outro lugar.
Os asilados são pessoas perseguidas por suas opiniões políticas, situação racial ou convicções religiosas no seu país de origem. O asilo no Brasil pode ser de dois tipos: diplomático – quando o requerente está em país estrangeiro e pede asilo à embaixada brasileira; ou territorial – quando já está em território nacional.
De acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, o conceito de refugiados, que trata de fluxos maciços de populações deslocadas e de asilados, não deve ser confundido já que o direito de asilo se refere a indivíduos e costuma ser outorgado caso a caso. No entanto, os dois institutos podem ocasionalmente coincidir, já que cada refugiado pode requerer o asilo político individualmente.

Dia Mundial do Refugiado tem agenda Para marcar a celebração da data, o Acnur e entidades parceiras organizaram uma agenda de eventos culturais e gastronômicos, mostras de cinema, debates e exposições fotográficas no Brasil. A ideia é promover a integração entre brasileiros e refugiados em diversas cidades. As atividades serão realizadas em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, Boa Vista e Manaus.
A agenda completa das atividades está disponível no site.

Portugal abre placar contra o Marrocos com 4 minutos

Marcelo Brandão
Portugal e Marrocos já estão em campo pela segunda rodada do Grupo B da Copa do Mundo 2018. Cristiano Ronaldo já mostrou que sua motivação em campo não vem do tamanho do adversário. Se contra a Espanha marcou um gol logo de início, contra os marroquinos não foi diferente. De cabeça, aos 4 minutos de partida, o melhor jogador do mundo já fez o primeiro.
Ronaldo é o artilheiro da Copa até agora, com quatro gols. Marrocos, no entanto, não se intimida e já ameaçou o gol de Rui Patrício. Marrocos demonstrou ter qualidades e jogou melhor que o Irã. O gol sofrido no último lance foi um golpe duro para um time que buscou a vitória muito mais do que o adversário.