Estudantes ocupam escola estadual em Pinheiros em novo protesto

Cerca de 80 estudantes ocuparam a Escola Estadual Fernão Dias, na Avenida Pedroso de Morais, na madrugada deste sábado (30), em protesto contra a falta de recursos para a educação, a falta de merenda e o fechamento de salas de aula.
A Escola Estadual Fernão Dias foi uma das primeiras a ser ocupada durante um protesto de estudantes contra a reorganização escolar proposto pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), entre novembro e dezembro de 2015 e janeiro de 2016. Estudantes que ocuparam a Fernão Dias dizem que a Secretaria da Educação descumpriu ordem da Justiça de suspensão da reorganização escolar em 2015 e fechou salas de aula em algumas escolas.

"Temos provas de que outras escolas próximas tenham fechado até mesmo quase um ciclo", disse uma estudante. No início do ano, o G1 mostrou levantamento da Apeoesp que aponta o fechamento de ao menos 1.160 salas de aula e classes com lotação máxima.
Segundo a Polícia Militar, moradores da rua fizeram telefonemas por volta das 2h alertando sobre a possibilidade de alunos estarem ocupando a escola. A PM foi ao local e confirmou a ocupação.Estudantes que estão dentro da ocupação confirmaram ao G1 pelo Facebook que permanecem dentro da escola. A PM não soube informar o número de alunos que estão na escola Fernão Dias.

Alunos do Centro Paula Souza, na Luz, Centro da capital, que ocuparam a unidade na quinta-feira (28), também confirmaram a informação.
A Secretaria da Educação do Estado reafirmou, por meio de nota, que não falta merenda nas escolas da rede estadual de ensino e que está aberta ao diálogo. "Cabe ressaltar que investir em educação é compromisso do Governo do Estado, que aplica 30% de seu orçamento na área".

No Paula Souza, onde a ocupação permanece, os alunos se dividiram em grupos para manter o local organizado, enquanto durar a ocupação, segundo o frei Agostino, da Comunidade Voz dos Pobres. Ele está acompanhando a situação para ajudar a garantir a segurança dos jovens.
“Eles estão organizados em comissões, que foram sugeridas pelos secundaristas, que vieram apoiar: limpeza, segurança, mídia, alimentação”, diz.
 Segundo Agostino, os alunos reclamam dos desvios de verba. Os alunos protestam contra a máfia da merenda escolar, os problemas com merendas nas Etecs e Fatecs e os cortes nos repasses para a educação. “A gente entende que houve redução de verba na merenda. E nada foi explicado. Se a Etec que é o modelo de educação do estado, não tem merenda, imagina as demais", afirmou.

Fernão Dias
A escola estadual Fernão Dias foi a que ficou mais tempo ocupada durante um protesto realizado entre novembro de 2015 e janeiro de 2016 dentre escolas estaduais em um protesto de estudantes da rede contra a reestruturação do ensino secundarista, proposto pelo governador Geraldo Alckmin.
A ocupação dos alunos na Fernão Dias começou no dia 10 de novembro de 2015 e foi a segunda a ser invadida após o overno decidir fechar mais de 90 unidades escolares e transferir mais de 300 mil alunos. Apesar de os estudantes afirmarem que o movimento das ocupações era horizontal e não tinha lideranças, a Fernão Dias acabou concentrando os organizadores das manifestações.
Após uma série de protestos, Alckmin suspendeu em 4 de dezembro as mudanças que ocorreriam nas escolas por causa da reorganização. Em seguida, o secretário da Edudação Herman Voorwald deixou o cargo. Os alunos entregaram a chave da Fernão Dias à diretoria de ensino mais de um mês depois, deixando a unidade.

Related Post