Oitava morte por H1N1 é confirmada no Sul do Rio

A Secretaria de Saúde de Resende, no Sul do Rio de Janeiro, confirmou no fim da manhã desta quarta-feira (13) mais uma morte por H1N1 na cidade. A vítima é um homem de 49 anos que estava internado em um hospital particular.
Na terça-feira (12), a unidade de saúde chegou a afirmar que a causa da morte não seria a gripe, porém o resultado do exame era preliminar.
"Era um paciente de meia idade e portador de doença pulmonar, uma bronquite asmática e se não me engano ele era diabético também. Foi a informação que eu tive hoje", disse o secretário de Saúde, Daniel Brito.
Esta é a terceira morte por H1N1 registrada em Resende. Pelo menos outros 13 casos suspeitos estão sendo investigados.
"Por enquanto a situação está bem controlada, mas hoje basicamente é informação. Nós estamos trabalhando nas escolas. Hoje mesmo eu determinei que todas as equipes de saúde da família saíssem das unidades, desse um tempo no seu dia a dia para poder informar, ir nas escolas, nas comunidades fazer esse papel", explicou Daniel Brito.
Sobe para sete número de mortes na região
Com a confirmação de mais esta morte em Resende, sobe para sete o número de vítimas do vírus H1N1 no Sul do Rio de Janeiro.
A primeira vítima era de Barra Mansa. Ludmila Jacques Nogueira Barsatto, de 21 anos, morava no bairro Metalúrgico, estava grávida e morreu no dia 30 de março no Hospital Hinja, que fica em Volta Redonda, cidade vizinha.


Outras duas mortes pelo H1N1 já haviam sido registradas em Resende. As duas pacientes estavam internadas no Hospital de Emergência. Zumira Campos, de 47 anos, morreu na manhã de segunda-feira (4). No mesmo dia, à tarde, a vítima foi uma jovem de 19 anos, que estava grávida. O bebê, prematuro, também não resistiu e morreu no dia seguinte.

A quarta morte confirmada pela gripe foi de uma moradora de Porto Real que estava internada em um hospital particular de Resende. A confirmação foi feita pela Secretaria de Saúde de Porto Real. A vítima deu entrada no dia 29 de março e morreu dois dias depois. Ela tinha 50 anos e sofria de hipertensão e diabetes.

O quinto caso de morte por H1N1 foi registrado em Valença. A certidão de óbito de Marcilene dos Santos Jardim, de 47 anos, aponta que ela sofria com uma síndrome respiratória aguda, pneumonia, insuficiência respiratória aguda e pneumonia.

Já a sexta morte foi confirmada na terça-feira (12). A vítima é Mônica Martinez Carneiro da Silva, de 58 anos, moradora do bairro Santo Agostinho, em Volta Redonda. Segundo a prefeitura, ela estava internada no Hospital da Unimed, onde morreu na última sexta-feira (8). Ainda de acordo com a prefeitura, Mônica sofria de problemas hepáticos. Ela foi enterrada no sábado, em uma cidade de Minas Gerais (MG).
Suspeita é investigada em Piraí
Um homem, de 33 anos, morreu no domingo (10), em Piraí, no Sul do Rio de Janeiro, com suspeita de gripe H1N1. O caso foi divulgado pela prefeitura na manhã desta quarta-feira (13).
A vítima — que morava no distrito de Arrozal — deu entrada no Hospital Flávio Leal no sábado (9), com sintomas de gripe.
Um laudo irá confirmar a causa da morte, mas ainda não há previsão de quando o resultado ficará pronto. Amostras de sangue já foram enviadas para o Laboratório da Fiocruz, no Rio de Janeiro.

Related Post