quarta-feira, 31 de maio de 2017

Manifestantes ocupam Secretaria Municipal de Cultura em São Paulo

Camila Boehm
Manifestantes ocuparam a Secretaria Municipal de Cultura na tarde de hoje (31) pedindo a saída do secretário André Sturm e o descongelamento de recursos para a cultura. O grupo argumenta que a secretaria teve 43,5% de seu orçamento congelado neste ano e que, desde o início de 2017, trabalhadores da cultura têm se mobilizado contra o que consideram o desmonte das políticas públicas da área. Segundo a organização do protesto, há cerca de 60 pessoas na ocupação. A secretaria não confirma o número de participantes.
O ato ocorre dois dias após o secretário ameaçar um agente cultural em reunião sobre a administração da Casa de Cultura Emerlino Matarazzo, na zona leste da capital paulista. O rapaz gravou o áudio e divulgou para a imprensa. Na gravação da reunião, ocorrida na última segunda-feira (29), Sturm diz “vou quebrar sua cara”. De acordo com um representante da Frente Única da Cultura, que participa da ocupação e preferiu não se identificar, o grupo pede a presença do prefeito João Doria para uma conversa.
“A GCM [Guarda Civil Metropolitana] foi o único interlocutor que veio até nós e disse que poderia nos levar para a delegacia”, disse. Em nota, a secretaria informou que lamenta a ocupação da sede. Segundo o órgão, os funcionários estavam cumprindo agenda de reunião quando foram surpreendidos por “ruidosos gritos de pessoas que tomaram o saguão do 11º andar”.
De acordo com a nota, “o secretário André Sturm precisou fazer uma barricada para garantir que a porta do gabinete não fosse derrubada. Servidores da sala da assessoria técnica, que fica ao lado do gabinete, foram expulsos do seu local de trabalho e tiveram que se refugiar em outro andar da secretaria, sendo que suas salas ficaram ocupadas por faixas e cartazes com mensagens ofensivas”. A secretaria informou que a GCM foi chamada com o objetivo de “garantir a segurança dos servidores e tentar negociar uma desocupação pacífica”.
Além das críticas à atuação de Sturm, o representante do grupo disse que há uma seletividade para destinação da verba da Secretaria Municipal da Cultura. Segundo ele, a região central da cidade recebe a maior parte dos recursos, enquanto na periferia não chega tanto investimento. O grupo pede também que 3% do orçamento total do município seja destinado à Cultura.
A vereadora Sâmia Bomfim informou que protocolou representação junto ao Ministério Público (MP) para denunciar o secretário por abuso de autoridade após a divulgação do áudio da reunião. “Sturm ameaçou agredir fisicamente artistas de Ermelino Matarazzo, mostrando completo descontrole e incapacidade de diálogo com o movimento de cultura da cidade”, divulgou a vereadora em sua rede social.