sábado, 12 de agosto de 2017

Planalto pretende contemplar ‘centrão’ com cargos de segundo e terceiro escalão


Na busca dos votos para aprovar a reforma previdenciária, o Palácio do Planalto pretende atender aos partidos do “centrão” com cargos em estatais, secretarias, departamentos e autarquias, os chamados cargos de segundo e terceiro escalão.
A estratégia do governo tenta contemplar a cobrança por mais espaço do bloco partidário e o desejo do PSDB de não abrir mão dos quatro ministérios que ocupa no governo de Michel Temer.
Conforme apurado, o Planalto tem sido pressionado pelos líderes do centrão, que pedem mais cargos para endossar a reforma previdenciária, em especial, após o auxílio para barrar a denúncia por corrupção passiva contra o presidente da República.
O centrão é um bloco partidário idealizado pelo deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A aliança de legendas como PP, PR, PSD, PTB, PRB e PSC, foi decisiva na eleição do peemedebista para a presidência da Câmara, em 2015.
Após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016, o grupo virou parte importante da base parlamentar do governo Temer e ajudou o peemedebista, no dia 2 de agosto, a barrar o encaminhamento da denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Consumada a vitória de Temer na Câmara dos Deputados, integrantes do centrão passaram a cobrar um maior espaço dentro do governo. O pleito foi reforçado principalmente após deputados do PSDB, que comanda quatro ministérios, não terem garantido apoio total a Temer na votação da denúncia.
Dos 47 deputados tucanos, 21 votaram contra o governo. No PP, por exemplo, foram 37 votos a favor de Temer e 7 contra.

G1