quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Gilmar pede informações para decidir sobre soltura de Paulo Preto

André Richter
O engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, ex-diretor da DersaO ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes pediu hoje (28) informações à Justiça Federal em Curitiba sobre a prisão do ex-diretor da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto.
Gilmar Mendes solicitou as informações para embasar a decisão que deverá tomar no pedido de liberdade feito pela defesa de Paulo Preto ao STF. O ministro é o relator do caso. Após receber a manifestação da 13ª Vara Federal em Curitiba, que foi responsável pela prisão, o ministro decidirá a questão. O prazo para o envio das informações é de cinco dias.
O ex-diretor da Dersa foi preso na semana passada, durante a 60ª fase da Operação Lava Jato.
Nesse desdobramento, as investigações da força-tarefa da Lava Jato no Paraná revelaram a participação de Paulo Preto como operador financeiro em um esquema de lavagem de dinheiro em favor da empreiteira Odebrecht.
Em maio do ano passado, Gilmar Mendes mandou soltar Paulo Preto.
Na ocasião, a prisão foi decretada no âmbito do processo sobre denúncias de irregularidades em desapropriações para construção do Rodoanel Sul, entre outras, que teriam acarretado prejuízo de mais de R$ 7,7 milhões aos cofres públicos.

Indígena venezuelano morre em hospital de Roraima

Jonas Valente
O indígena venezuelano Kliver Alfredo Pérez Rivero, de 24 anos, que estava internado no Hospital Geral do Estado, morreu ontem (27), por falência de múltiplos órgãos. A informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde do governo estadual.
Rivero foi levado ao hospital na última sexta-feira (22). Ele e outros indígenas venezuelanos buscaram atendimento na capital, Boa Vista, após conflitos na região de fronteira com o Brasil. Segundo a Secretaria de Saúde, o rapaz tinha uma lesão no tórax, provocada por tiros de arma de fogo.
Ainda estão internados no hospital 20 indígenas permanecem internados.

De acordo com a Secretaria de Saúde, um desses pacientes está em estado grave, em condição semelhante à apresentada por Kliver quando foi levado ao Hospital Geral de Roraima.

MEC envia novo texto às escolas suspendendo orientação sobre filmagens

Mariana Tokarnia
Alunos da escola estadual Raymundo Sá, no município de Autazes, interagem virtualmente com professores e alunos durante aula a distância produzida no Centro Nacional de Mídias de Educação.O Ministério da Educação (MEC), desde o início da manhã de hoje (28), encaminha um novo comunicado às escolas suspendendo o pedido de filmagem de estudantes e do envio dos vídeos por e-mail. É o terceiro comunicado enviado aos colégios. Por questões técnicas e de segurança, a filmagem foi suspensa.

O texto encaminhado hoje aos colégios informa sobre a nova decisão. “Em relação à mensagem anterior do Ministério da Educação (MEC), dirigida aos senhores e senhoras diretores e diretoras de escolas, por questões técnicas de armazenamento e de segurança, o ministro Ricardo Vélez Rodríguez decidiu suspender o pedido de filmagem e de envio dos vídeos por e-mail.”

Anteriormente, a pasta recomendou, deixando a decisão livre para cada instituição, aos colégios a leitura da carta, encaminhada pelo MEC, na presença de estudantes, professores e funcionários e a execução do Hino Nacional com registro em filmagens que deveria ser enviado ao MEC.
Histórico No primeiro comunicado, a mensagem orientava para leitura da carta, encaminhada pelo MEC, na presença de estudantes, professores e funcionários das escolas. Nela, havia o slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro: “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”. O ministro da Educação, Ricardo Vélez, reconheceu que houve um equívoco.

Há dois dias, foi encaminhado um segundo comunicado. Nele, o slogan foi retirado , mas a orientação para leitura e o registro de filmagens foi mantida. A mensagem especificava que, antes que os vídeos fossem utilizados, seria solicitada a devida autorização dos pais e responsáveis.

A pasta havia especificado o tamanho dos vídeos e os endereços de e-mail para o qual deveriam ser enviados. As imagens seriam selecionadas pelo ministério “para eventual uso institucional”, conforme informou o MEC anteontem (26).
Reações No dia 26, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), que integra o Ministério Público Federal, encaminhou um pedido de esclarecimento a Vélez, pois entendeu que a primeira mensagem feria preceitos legais.

O primeiro comunicado do MEC sofreu também críticas por parte de educadores, estudantes, estados e municípios. Pelas redes sociais, estudantes fizeram uma campanha para gravar vídeos mostrando problemas na escola, como falta de materiais, de infraestrutura e falta de professores.
Secretarias estaduais se queixaram da ausência de consulta sobre o tema. No Brasil, as escolas públicas são, na maioria, de responsabilidade dos estados e municípios. O MEC teria ferido a autonomia deles ao enviar uma mensagem diretamente às escolas.

Em nota, o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que reúne os secretários estaduais, disse que a ação "fere não apenas a autonomia dos gestores escolares, mas dos entes da federação. O ambiente escolar deve estar imune a qualquer tipo de ingerência político-partidária".

A União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), também por meio de nota, disse que considera “inadequadas, na forma e no conteúdo”, as recomendações encaminhadas pelo MEC.

SE LIGA NA BOATARIA: Reforma da Previdência não altera direito de professores e médicos a dupla matrícula

Diante das propostas de mudanças que constam na reforma da Previdência quanto às restrições ao acúmulo de aposentadorias e pensões por parte de servidores públicos, uma dúvida surgiu entre muitos funcionários ativos: ainda será possível o acúmulo de matrículas? De acordo com especialistas, o projeto de Emenda à Constituição (PEC) ressalva os acúmulos previstos pela Constituição, sem retirar o direito atualmente em vigor.
— Não há qualquer alteração. O parágrafo 10º do artigo 37, que consta na Reforma, mantém a possibilidade de acúmulo (dos cargos públicos) — explicou o advogado Fábio Zambitte, especialista em Direito Previdenciário.
O trecho da reforma citado por Zambitte prevê ser “vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria do regime próprio de previdência social de que trata o art. 40, de proventos de inatividade, (…), decorrentes do exercício de cargo, emprego ou função pública, com a remuneração de cargo, emprego ou função pública, ressalvados os cargos acumuláveis na forma prevista nesta Constituição, os cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração”.
Portanto, seguem liberados os seguintes casos: para dois cargos de professor; um cargo de professor com outro técnico e científico; e, por fim, para dois cargos ou empregos privativos de profissionais da área da saúde com profissões regulamentadas.
As advogadas Bruna Maia e Luciane Sousa, especialistas em direito do servidor, reforçaram a previsão dada pela reforma para a manutenção do direito:
— A reforma da previdência ressalva a possibilidade de acumulação de cargos já previstos na Constituição. Assim sendo, estão assegurados os direitos de acumulação de aposentadoria nas hipóteses acima — afirmaram.
Procurado, o Ministério da Economia não comentou sobre a indicação que consta na reforma ou a respeito do temor dos servidores público. Quanto aos representantes das categorias, os próximos meses serão de alerta.
— A gente repudia qualquer tipo de alteração nesse sentido. Não podemos afirmar sobre o que prevê a reforma, pois estamos aguardando um estudo mais embasado. No Rio, especificamente, é comum termos essa situação, pois os concursos são para professores de 16 horas. Por isso, grande parte da categoria conta com as duas matrículas — disse Gustavo Miranda, um dos coordenadores do Sindicado dos Profissionais da Educação do Rio (Sepe-RJ).
Para a categoria médica, o tema é visto como de extrema importância diante do cenário político em que será debatido a reforma.
— (O acúmulo de matrículas) é algo fundamental que nos mobiliza. Eu tenho participado do debate do ponto de vista dos médicos e estamos acompanhando todas as movimentações que podem colocar em risco o futuro desse profissional. O texto inicial não aponta nenhuma ameaça a esse direito da dupla matrícula, mas temos avaliações que serão colocadas em discussão. O lema que nos mobiliza é “nenhum direito a menos” — avaliou Jorge Darze, presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam).
O Globo

Conheça a história do primeiro deputado cego do Congresso

Felipe Rigoni ficou cego aos 15 anos de idade. Nos anos seguintes, reaprendeu a viver. Descobriu que para sobreviver, teria que enxergar com os olhos dos outros. Aprendeu braile, mas prefere áudio. Sabe andar de bengala, mas não gosta. Não conseguiu se adaptar a um cão-guia. Diz que é um “cego ruim”.
“E como eu fiz? Pedindo ajuda. Para as pessoas. Pra gente. Igual a papagaio. De ombro em ombro. Eu ia pedindo ajuda e elas iam me ajudando. E isso me permitiu me aproximar mais das pessoas. E aprender muito”.
De fato, no nosso encontro, o deputado federal Felipe Rigoni (PSB-ES), o primeiro cego a chegar ao parlamento brasileiro, mostrou desenvoltura ao circular pelos corredores da Câmara dos Deputados apoiado no ombro de sua chefe de gabinete Ingrid.
Bem articulado, Felipe anda rápido, e chega a ser difícil acompanhar o seu ritmo. Tem tanta facilidade de interagir, que olha nos olhos do interlocutor. Conversou com o R7 em movimento, do gabinete no anexo IV até o estacionamento, no carro indo para o Aeroporto e no saguão, do balcão da companhia aérea até o portão de embarque, onde embarcaria para Vitória (ES).
Na véspera da nossa conversa, na quarta-feira (20), o parlamentar de 27 anos fez o seu primeiro discurso na tribuna do plenário. Calou os presentes com a sua história e com o que pensa da política. Contou que o seu ponto de virada após ter ficado cego foi uma conversa com o pai, que disse que ele tinha uma escolha. “Eu não entendi inicialmente. Como eu tinha escolha, se eu estava ficando cego? Mas depois consegui perceber que eu tinha uma escolha, que era a escolha da atitude. E foi isso que norteou esse processo. Sempre quando tenho um dilema da vida para resolver me vem esse momento”.
O processo a que Felipe se refere foi o caminho que trilhou até a política. Antes de ser eleito deputado federal, ele se formou em Engenharia da Produção na Universidade Federal de Ouro Preto como um dos destaques da turma. Se tornou líder nacional do movimento Empresa Júnior, participou da fundação Acredito, movimento suprapartidário de renovação política, fez mestrado em políticas públicas em Oxford e foi bolsista do programa RenovaBR.
Todo o sucesso, segundo ele, só foi possível por ter aprendido a se cercar de pessoas: “Todos os objetivos que eu alcancei, apesar de estar sempre à frente, sempre tinha uma galera comigo. Inegável. Como na minha campanha. Além de equipe sensacional, eram 3.000 voluntários. Meu mestrado, se eu não tivesse gente me ajudando, não teria feito”.
O apoio começou em casa.
“Meus pais são os grandes responsáveis por esse tipo de atitude que eu tenho porque eles nunca me esconderam. Que é comum para pais de deficientes. Meus pais me mandavam com os meus amigos pra show, aos 16 anos de idade, logo depois de eu ter ficado cego. Me incentivaram a ir para Ouro Preto, mais longe deles. Isso foi fundamental”.
No Congresso Nacional, vinte dias depois do início do ano legislativo, o deputado, apesar de iniciante, apresentou quatro propostas legislativas, e irá integrar duas comissões: a de Finanças e Tributação e Educação e Ciência e Tecnologia. É vice-líder do seu partido.
“A minha expectativa era que eu estaria patinando mais do que estou. É lógico que é muito complexo. Me orgulho de que até agora eu sempre soube o que estava acontecendo, influenciando o voto de outros parlamentares, discutindo e sendo influenciado também. Mas é muito fácil se perder. Até com dois ou três assessores do seu lado, prestando mais atenção do que você, inclusive”.
Para conseguir dar conta do trabalho legislativo, Felipe estuda os assuntos e discute com assessores e consultores externos, especialistas, muitas vezes voluntários.
“Fiz algumas emendas à MP da criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados. Foi o Instituto de Tecnologia e Sociedade, capitaneado pelo Ronaldo Lemos, que dá aulas em Columbia, que me ajudou. Há muita gente disposta em ajudar”.
O deputado pretende conduzir o seu mandato mirando em três grandes objetivos: construir uma gestão pública eficiente e inovadora; promover a igualdade de oportunidades, especialmente através da educação básica; e com desenvolvimento socioeconômico (saúde financeira das pessoas, governo e empresas, infraestrutura e ciência e tecnologia).
No seu discurso da semana passada na tribuna, Felipe Rigoni defendeu alguma de suas ideias políticas, como a de não votar em projetos simplesmente para marcar posição política, ou com a base do “toma lá, dá cá”.
“O toma lá, dá cá não vai terminar agora porque o sistema é desenhado para estimular isso. Mas você tem uma série de parlamentares que não trabalharam nessa configuração, não usam o toma lá, dá cá, não se submetem a ele. Mas não é só o toma lá, dá cá que é o problema. Nesta manhã estavam sendo votados cinco acordos internacionais que o Brasil fez, e coisas consensuais. E o que estava acontecendo? PT e Psol estavam obstruindo só para mostrar que eles conseguem. Se fosse uma discordância com a matéria, ok. Quando você discorda e sabe que vai perder, obstrui, é uma estratégia. Mas fazer isso quando você concorda com a matéria? Isso eles fizeram nessa semana e na passada. E o PSL também tem feito isso. Sou contrário. Porque não estamos ali para marcar posição política. Estamos ali para votar. O que Congresso produz? Decisões. Se não produz decisões, produz confusões. Ou a gente começa a produzir decisões de fato, ou fica isso. Laranja para baixo e para cima”.
No dia da entrevista, o deputado já tinha participado de um encontro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para apresentar a frente parlamentar do fim do foro privilegiado e colocar o grupo à disposição na tramitação do projeto anticrime do ministro Sérgio Moro.
Ao chegarmos ao Aeroporto, encerramos a nossa conversa. Mas acompanhei o deputado e sua chefe de gabinete ao balcão de embarque da companhia. Pelo horário, a companhia não disponibilizou um acompanhante para Felipe ir até o portão de embarque. O jeito foi pedir ajuda. Na entrada do embarque, por acaso, estava um colega de parlamento. O deputado Felipe Rigoni colocou as mãos no ombro do senador Alessandro Vieira (PPS-SE) e embarcou rumo a Vitória.
Coluna do Fraga – R7

Bolsonaro diz que agora filtra Carlos: “nenhum filho meu manda no governo”

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) lamentou o episódio do vazamento de áudios de suas conversas com o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno, demitido neste mês, e afirmou que seus filhos não mandam no governo. As declarações foram dadas hoje em café da manhã com um grupo de 13 jornalistas no Palácio do Planalto em que o UOL esteve presente.
“Nenhum filho meu manda no governo, não existe isso”, disse o presidente.
Bolsonaro afirmou que declarações públicas de seu filho Carlos Bolsonaro que possam ter relação com o governo agora passam por sua aprovação. “Tudo passou a ter um filtro da minha parte”, disse.
“Lamento o ocorrido, mas não poderia ter tomado outra decisão”, afirmou Bolsonaro ao ser questionado sobre como se sentia em relação a Bebianno. O presidente comparou o fim da relação com Bebianno ao fim de um casamento.
“”É quase um casamento que infelizmente prematuramente se desfez”(sobre a saída de Bebianno)
Carlos, que é vereador no Rio de Janeiro pelo PSL, divulgou em seu perfil no Twitter gravação de seu pai dizendo que não havia conversado com Bebianno. O episódio, que culminou na demissão de Bebianno, deflagrou uma crise no governo após revelação pelo jornal “Folha de S.Paulo” de supostas candidaturas laranjas do PSL. O ex-ministro, que nega irregularidades, era o responsável pela liberação de verbas de campanha do partido durante a campanha.
Bolsonaro também disse que não há mal-estar com a ala militar. Uma das possibilidades levantadas durante a crise era a de que os militares aliados de Bolsonaro teriam desaprovado a suposta influência de Carlos no governo. “Não há nenhum problema com os militares.”
UOL

Comércio, turismo e maus hábitos aumentam consumo de água, alerta Caern

Se não usamos água de chuva para as tarefas diárias, por que no inverno diminui o consumo de água consideravelmente, a ponto de, por alguns momentos ser interrompida a produção e distribuição de água, já que os reservatórios da Caern ficam cheios? A resposta é simples: porque deixamos de lado alguns maus hábitos como aguar o jardim mais do que o tempo necessário e fora do horário indicado, lavamos menos os veículos, etc.
“É menos água desperdiçada. Prova de que precisamos reforçar a consciência ambiental da população”, explica o Superintendente de Operação e Manutenção de Natal da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern), Lamarcos Teixeira. “Parece uma coisa boba, mas imagine um bairro como Capim Macio, onde há muito jardim. Multiplique quantas pessoas deixam a mangueira ligada aguando planta. Isso interfere e impacta diretamente na distribuição dos demais imóveis, pois contribui com a despressurização da rede, desequilibra o sistema”, exemplifica.
E se os mananciais e poços disponíveis para atender às demandas da população são finitos, não aumentam sua capacidade de acordo com as necessidades de uma cidade. “Até se isso fosse possível, não seria correto compensar o uso inadequado fornecendo mais água”, atenta Teixeira.
Mesmo no verão, quando a demanda por água cresce em aproximadamente 20% do normal, seja pelo calor ou férias escolares, a água produzida (captada e tratada) é suficiente para atender à capital, que tem o turismo e carnaval como fatores extras para aumento da demanda nos primeiros meses do ano.
Grande parte dessa produção é utilizada nas áreas comerciais e turísticas, como é o caso do Alecrim, Cidade Alta e Ponta Negra, esta última de concentração da rede hoteleira. Na Zona Norte, as regiões atendidas pelo reservatório R-14 são as que mais consomem água, representadas por Igapó, Potengi, Nossa Senhora da Apresentação e de São Gonçalo do Amarante: Jardim Lola e conjunto Amarante.
“Produção de água na capital é suficiente para a demanda”
Para Lamarcos Teixeira, mesmo a produção de água sendo suficiente para a demanda natalense, outros fatores, além do desperdício, contribuem para a sensação de “falta d`água” no verão. “Existem os imóveis que não possuem reservatório (caixa d’água) ou estes são mal dimensionados. Por exemplo, uma família onde morava um casal e tem uma caixa de mil litros, permanece com ela depois de ter dois filhos. O consumo dobrou, mas não se adequaram às novas necessidades”, ressalta.
Há ainda outros obstáculos, como a verticalização em algumas áreas – por exemplo no bairro Tirol, onde a população duplicou – ainda assim, o sistema distribui água suficiente para uso, que é garantido pelo pleno abastecimento dos reservatórios (caixa d’água).
A recarga noturna desses reservatórios, período de maior pressão, é suficiente para garantir água no dia seguinte, usando a água do reservatório. “Quando há falta d`água, não chega a um período de 15 dias, por exemplo, como se ouve muitas vezes. Até porque não há como passar 48 horas sem água. Se isso fosse verdade, haveria muitos carros pipa circulando na cidade, como vemos em Recife (PE), onde se vê por toda a parte, por dificuldades no abastecimento”, comenta.
CARNAVAL
E por falar em carnaval, é importante lembrar, também nos dias de festa, o uso consciente da água, que não pode ser usada como adereço da festa. Evitar materiais que necessitem de muita água para serem retirados (glitter, “mela mela” com mel, etc.), utilizar piscina somente no período, usar o jato da mangueira como vassoura ou mesmo tomar banho e lavar louça mantendo a torneira ligada ao se ensaboar são alguns pequenos cuidados que podem fazer toda a diferença para a coletividade.
Nesse ponto, o Seridó potiguar é um exemplo, já que recentemente registrou um índice de perdas de água menor do que a média nacional: 25%, contra uma estatística que gira em torno de 40 a 50% no país. Embora o racionamento na distribuição tenha sido um dos motivos, a população desta região vem demonstrando mais preocupação no uso sustentável da água.

Site e call center vão esclarecer dúvidas sobre reforma da Previdência

Cristina Indio do Brasil
O governo vai utilizar um site e um call center para ajudar na simulação de cálculos da aposentadoria conforme a proposta da reforma da Previdência, como forma de ajudar a esclarecer dúvidas da sociedade. Segundo o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, os dois instrumentos devem entrar em operação depois do carnaval.
O secretário negou que o governo esteja perdendo a batalha da comunicação para alcançar o apoio da sociedade e de parlamentares. Durante um debate no Rio de Janeiro, o secretário lembrou que tem experiência parlamentar em duas legislaturas como deputado federal, tendo completado o último mandato no fim de janeiro.
Ele disse que que tem se reunido com bancadas parlamentares para explicar as medidas, e que conta com as articulações políticas dos líderes do governo e dos partidos no Congresso, além da atuação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, David Alcolumbre DEM), e da interlocução dos ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Santos Cruz.
“Rodrigo [Maia] é um liberal, é um reformista, e vai ajudar muito. A liderança que ele exerce na Casa - se elegeu com mais do que um quorum de PEC [proposta de emenda à Constituição], teve 340 e tantos votos - demonstra que ele tem toda condição e capacidade de exercer esse papel de liderança em relação à reforma. Mas também como presidente de um Parlamento que tem pensamentos plurais, tem que dar condição para aqueles que pensam diferente possam se manifestar, participar do processo de discussão. O papel que Rodrigo está fazendo é um papel que a gente espera do Parlamento, que apresente os pensamentos de forma cristalina”, disse. Ele também fez elogios ao desempenho do presidente do Senado, Davi Alcolumbre.
Disposição
O secretário assegurou que nunca viu entre os parlamentares uma disposição tão grande em aprovar a reforma da Previdência. “Nunca vi tanta vontade e disposição de aprovar um projeto como estou vendo agora. As bancadas que percorri, mesmo com os reparos e indagações, com os argumentos sobre este ou aquele texto, de uma forma geral todos reconhecem a necessidade de mudar o nosso sistema previdenciário. Nossa tarefa é tentar costurar um apoio que permita ter, pelo menos, dois terços dos votos, em torno de uma proposta que minimamente contemple as necessidades de deem uma resposta à sociedade brasileira. O Brasil não pode mais esperar”.
Marinho disse que o Estado brasileiro, incluindo a União, estados e municípios, faliu e não se sustentará sem as mudanças na área previdenciária. Ele lembrou que hoje está no Rio de Janeiro e é do Rio Grande do Norte, dois estados que enfrentam problemas para o pagamento de aposentados. “Tenho familiares que são aposentados e estão há quatro meses sem receber os salários. O que acontece no meu estado, aconteceu no Rio de Janeiro, acontece no Rio Grande do Sul, em Minas Gerais, em Goiás, por isso, a mudança de percepção da população brasileira”, observou.
Pesquisas
De acordo com o secretário, pesquisas mais recentes mostram a mudança de apoio da população. Segundo ele, uma enquete feita no ano passado apontava a desaprovação de mais de 70% dos entrevistados à reforma do sistema previdenciário, e em uma outra pesquisa realizada esta semana, empatou em 45% entre os a favor e os contra. “Nossa tarefa é traduzir a narrativa. É muito fácil pegar um ou outro ponto do projeto e sair gritando como mantra ‘isso aqui está sendo contra os pobres’”, disse.
Marinho acrescentou que corporações, que não revelou quais, não reclamam claramente sobre a perda de regalias que têm nas aposentadorias, mas fazem críticas a outros pontos da proposta. “Eles estão dizendo publicamente o seguinte: estamos preocupados com o BPC [Benefício de Prestação Continuada pago a idosos e pessoas com deficiência], estamos preocupados com o aposentado rural. Essa tem sido a cantilena. Isso tem sido o mantra e vem principalmente das corporações que estão se aproveitando desses pontos para dizer que a reforma é contra o pobre. Não, pelo contrário, [a reforma] faz com que a maioria da população, dos contribuintes, que hoje são mais de 20 milhões pagando uma alíquota de 8% passem a pagar 7,5%, e quem recebe acima do teto, porque teve uma sentença judicial que contradisse, inclusive, a constituição brasileira que impede que se ganhe acima do teto do STF, pague 22%”, disse.
“Quem tem mais, paga mais, quem tem menos paga menos”, concluiu.

Currais Novos: MPRN recomenda regularização de servidores com desvio de função

Promotoria de Justiça aponta que deverá ser providenciada a recolocação dos servidores nas funções pertinentes aos cargos que originariamente ocupam
A Prefeitura de Currais Novos tem o prazo de 90 dias para adotar as providências para regularizar todas as situações de desvio de função que existem no município, em especial os 25 servidores ligados à Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Urbanos e à Secretaria Municipal de Saúde. É o que recomenda o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), por meio da Promotoria de Justiça da cidade.
A recomendação também prevê que deverá ser providenciada a recolocação dos servidores nas funções pertinentes aos cargos que originariamente ocupam, ainda que possuam formação técnica na área em que atuam atualmente, sob pena de se configurar improbidade administrativa.
O documento reforça que esta situação configura burla ao princípio constitucional do concurso público, tendo potencialidade para causar ônus indevido ao erário, podendo configurar ato de improbidade administrativa.
BG

Tesouro informa que ajuda financeira enviada pelo governo federal a estados em crise financeira, como no caso o RN, não poderá para pagar salários atrasados de servidores

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse nessa quarta-feira (27) que a ajuda financeira que será enviada pelo governo federal a estados em crise financeira, como o caso do Rio Grande do Norte, não poderá ser utilizada para pagar salários atrasados de servidores. O secretário utilizou um exemplo envolvendo o próprio estado potiguar para esclarecer a situação.
“Conceder crédito para pagar salários é inconstitucional. A gente tentou fazer isso com o Rio Grande do Norte, e o Ministério Público de Contas vetou”, explicou Almeida. O adiantamento, ainda de acordo com o comando do Tesouro Nacional, poderá cobrir despesas consideradas emergenciais.
O secretário disse que o pacote para ajudar estados em crise não deverá ficar pronto até abril e que a aprovação do projeto antes de maio pelo Congresso Nacional é considerado praticamente impossível. Segundo Almeida, essa proposta seria diferente do programa de recuperação fiscal em vigor no Rio de Janeiro, porque beneficiaria estados com baixo endividamento, mas com alto volume de gastos com pessoal. Assim como anunciado por diversos governadores, a ideia é que os estados apresentem ao Tesouro um plano de ajuste fiscal e recebam um adiantamento das economias a serem obtidas nos próximos quatro anos.
Grande ponto, com informações da Agência Brasil

Caixa da Petrobras deve ser reduzido para US$ 10 bilhões

Vinícius Lisboa
O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, defendeu hoje (28) a redução do caixa da Petrobras para cerca de US$ 10 bilhões, em comparação com os US$ 14 bilhões com que a companhia encerrou o ano de 2018. Em coletiva de imprensa na sede da estatal, Castello Branco defendeu que os recursos sejam empregados em projetos de maior retorno em vez de títulos de baixo risco no mercado financeiro, que pagam juros "baixíssimos". 
"No passado, por outras razões, a companhia chegou a trabalhar com um caixa de US$ 25, 26 bilhões. À primeira vista, isso parece um sinal de saúde, mas não é", disse ele. "Aquele capital poderia estar sendo usado em projetos da companhia, com taxa de retorno muito mais avançada. Isso corresponde a um desperdício de recurso", explicou. 
O executivo afirmou que é preciso melhorar a alocação de capitais da companhia, direcionando os recursos principalmente para a exploração de petróleo e gás, que são ativos dos quais a Petrobras consegue extrair o máximo retorno. 
Castello Branco avaliou que o resultado da Petrobras em 2018 foi muito bom e conseguiu interromper um ciclo de quatro anos de prejuízos consecutivos. "Diria que foi melhor de muitos anos, com obtenção de alguns recordes", disse ele, exemplificando com a a geração de fluxo de caixa livre. "Nossas operações geraram caixa suficiente para pagar nossas obrigações e para financiar nossos investimentos, e o restante para ser dedicado à amortização de divida e pagamento de juros e dividendos aos acionistas". No ano passado, lucro líquido da empresa foi de R$ 25,8 bilhões, o maior desde 2011.
O presidente da Petrobras destacou que os acordos da Petrobras com órgãos da Justiça dos Estados Unidos foram eventos importantes, "pois removeram uma nuvem de incerteza que pairava sobre a companhia". Ele acrescentou ainda a venda da Refinaria de Pasadena: "Esses dois eventos simbolizam a virada de pagina. A companhia inicia um novo ciclo".

Governo quer cobrar grandes devedores do INSS em R$ 160 bilhões

Em paralelo à tramitação da reforma da Previdência encaminhada ao Congresso na última quarta-feira, o governo federal pretende fazer um cerco aos grandes devedores do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Dentro de 30 dias, a equipe econômica promete levar um projeto de lei ao Congresso com o objetivo de combater a sonegação das contribuições previdenciárias e cobrar os grandes devedores.
Conforme dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), há mais de R$ 490 bilhões em dívida corrente de um milhão de empresas, mas apenas R$ 160 bilhões são passíveis de recuperação. E a maior parte desse montante está nas mãos de grandes devedores: 4 mil empresas respondem por 60% do total da dívida ativa. Segundo o procurador-geral adjunto de Gestão da Dívida ativa da União e do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), Cristiano Neuenschwander, uma das formas para limitar o aumento dos devedores é diminuir o parcelamento de dívidas (Refis) em até 60 meses na reforma da Previdência. Atualmente, esse prazo pode ser de até 180 meses.
O projeto, que será enviado em um mês, vai distinguir o devedor comum do sonegador, com foco em quem tem pendências acima de R$ 15 milhões por empresa — um universo de 40 mil empresas. “Queremos estabelecer ações para problemas que atrapalham a cobrança. O primeiro deles é o contribuinte que tem capacidade de pagamento muito elevada, mas que, por conta de Refis, não paga num prazo menor”, afirmou Neuenschwander.
Quase metade dos devedores dos R$ 160 bilhões passíveis de serem recuperados estão no Refis e, portanto, esses recursos poderiam voltar aos cofres públicos de forma mais rápida se forem criados mecanismos para essa operação. Além de restringir o parcelamento da dívida, a definição dos descontos da empresa será decidida no projeto de lei complementar. “Um grande problema é que existem muitos devedores contumazes. Diferentemente da empresa com dificuldade, eles se caracterizam por comportamento fiscal agressivo. A legislação não mostra o conceito de devedor contumaz. A PEC traz a definição cujo comportamento é de inadimplência reiterada e substancial de tributos”, explicou o técnico.
Especialistas consideram esse projeto de lei positivo, mas o recurso recuperado poderá ser menor do que o que o governo estima. “Esse recurso previsto ocorrerá apenas uma vez, mas ajudará a reduzir o tamanho do deficit do INSS em um determinado ano fiscal”, lembrou o economista Paulo Rabello de Castro, ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e sócio da RC Consultores. Para ele, a cobrança de débitos passados pode ajudar a estabelecer uma nova disciplina de pagamento das contribuições.
Entre elogios e críticas
Na avaliação de Paulo Rabello de Castro, a proposta de recuperação de dívidas foi mais conservadora do que o esperado e, por enquanto, os servidores seguirão se aposentando com salário mais alto do que os trabalhadores da iniciativa privada. “A economia prevista não é comprovada, porque dependerá do número de pessoas que aderirem ao novo sistema e não é possível prever uma estabilidade nessa projeção”, alertou. Para ele, a nova Previdência ainda é velha, mas vai na boa direção, “de economia de recursos em sistema altamente deficitário”.
O economista Alexandre Espírito Santo, da Órama, acredita que o projeto de lei ajuda, mas não é uma garantia de salvação. “Eu nem considero essa receita nas minhas projeções”, explica. Santo elogiou a proposta geral de reforma da Previdência, que considera melhor do que a do ex-presidente Michel Temer, que começou com uma economia de R$ 800 bilhões em 10 anos e passou para a metade após a desidratação no Congresso. Ele acredita que, com as inevitáveis modificações durante a tramitação, a economia poderá chegar a R$ 800 bilhões.
Segundo Santo, a queda na bolsa após a apresentação da PEC mostra que o mercado está realizando lucro e deve ficar quieto por causa do carnaval e da espera pela formação das comissões que vão apreciar a matéria. “Vamos ficar um mês vivendo no limbo de suposição. Não acho que o mercado vai ter motivação para subir agora em função da macroeconomia”, afirmou.
Correio Braziliense

Superbactéria circulou no Brasil antes de ser descrita pela China

Elaine Patricia Cruz
Imagem de bactéria Klebsiella pneumoniae feita por microscópio eletrônico e colorizada por computador, mostrando a bactéria Klebsiella pneumoniae interagindo com uma célula humanaUm estudo feito por pesquisadores da Faculdade de Medicina e do Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (USP) descobriu que a bactéria Klebsiella pneumoniae, super-resistente a antibióticos, já circulava pelo Brasil em 2011, quatro anos antes de ser descrita na China, em 2015.O estudo foi publicado na revista científica Bone Marrow Transplantation, do grupo Nature.
O trabalho foi conduzido pela professora doutora Silvia Figueiredo Costa, do Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP e diretora técnica do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (USP) e pela professora doutora Ester Sabino, também do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo.
Ele foi realizado com base no banco de dados do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e apontou que, de 1.042 pacientes que se submeteram a um transplante de medula entre os anos de 2008 e 2015 nesse hospital, 12 se infectaram com a bactéria super-resistente aos antibióticos. E, deste total, 10 morreram.
Klebsiella pneumoniae é uma bactéria presente no trato gastrointestinal de humanos e animais. Ela pode ser encontrada também no meio ambiente, na água, nos alimentos e no sistema de esgoto. Eventualmente pode ser identificada nas mãos de profissionais da saúde, em equipamentos hospitalares e no ambiente hospitalar, como na cama do paciente, por exemplo. E pode causar diferentes tipos de infecção - como infecção urinária ou no sangue – que podem levar à morte.
China Essa resistência da bactéria pelo uso de antibióticos foi descoberta pela China em 2015. A China analisou que cepas de Klebsiella adotam um mecanismo de resistência à colistina [um antibiótico que é usado como último recurso no tratamento de infecções por bactérias], denominado MCR-1. Até então, esse mecanismo era desconhecido no mundo.
Depois que a China divulgou esse estudo, outros países começaram a investigar seus bancos de dados e, em muitos deles, foram notados a existência do mesmo mecanismo, como ocorreu com esse estudo no Brasil. Isso demonstra que os genes de resistência já circulavam no mundo antes mesmo da comunidade científica ter se disposto de ferramentas para identificá-los.
“Quando surge um novo mecanismo de resistência no mundo, nós pesquisamos em amostras que estão armazenadas no hospital”, explicou Silvia. “Quando a China verificou esse mecanismo de resistência, todos no mundo fizeram isso. Todos foram pesquisar, nas bactérias que estavam guardadas, sobre esse gene de resistência. Foram encontrados também na Ásia, na Europa, na Argentina, aqui no Brasil”, falou.
No Brasil, o estudo apontou que as cepas da bactéria continham vários genes de resistência aos antibióticos. E não só o MCR-1, como também o KPC. “Geralmente, quando a bactéria contém o MCR-1, apresenta resistência à colistina, entretanto permanece sensível aos carbapenêmicos. As bactérias do nosso estudo apresentavam os dois genes de resistência o que torna muito difícil o tratamento”, disse Silvia.
Antibiótico O que pode ter provocado essa resistência, explica ela, é o uso indiscriminado do antibiótico colistina na veterinária e na agricultura. Em humanos, o uso de antibióticos é controlado, ou seja, só pode ser vendido sob prescrição médica. No caso específico da colistina, seu uso em humanos é ainda mais controlado: ele só ocorre em hospitais. 
“Esse antibiótico é mais usado em animais de grande porte e que servem de alimentação, como suínos, do que em humanos. Mas na última década, como as bactérias foram ficando mais resistentes, começou-se a usar esse antibiótico também para humanos”, falou.
“Já existe um esforço para não usar tanto esse antibiótico na veterinária e na agricultura. Há países que proibiram o uso. Em vários países da Europa, ele só pode ser utilizado no tratamento de humanos. No Brasil, há um ano teve uma diretriz de controle de uso da colistina na veterinária. Mas não temos dados brasileiros [sobre o uso]”, falou ela, em entrevista à Agência Brasil.
“Não sabemos o quanto esse antibiótico é usado na veterinária ou na agricultura. E esse controle é o que precisa melhorar no Brasil. Mesmo em hospitais, não temos um dado brasileiro. Não sabemos qual é o consumo nos hospitais”, acrescentou.
Prevenção e cuidados Para prevenção da bactéria, a pesquisadora diz que é importante controlar o uso de antibióticos e isolar o paciente infectado. Além disso, destacou, é preciso que os profissionais da saúde adotem hábitos como a higiene das mãos e uso de luvas e aventais no cuidado com o paciente.
“E a forma de evitar é controlando o uso do antibiótico e detectando a resistência. Porque na hora em que detecta que o paciente tem essa bactéria, ele precisa estar em um quarto, sozinho, sem ter outro paciente ao lado dele. Os profissionais também precisam usar luvas e aventais para evitar que ocorra a transmissão”, falou.
Outra questão importante, destacou, é que os hospitais de São Paulo que percebam infecção por esse tipo de bactéria, comuniquem e enviem as cepas para o Instituto Adolfo Lutz.
Outros hospitais Segundo Silvia, o estudo ainda não está finalizado. “Encontramos o gene em outros dois hospitais de São Paulo. Estamos finalizando o estudo para mandar para publicação”, falou.
O trabalho deverá ser apresentado em um congresso na Europa, em abril.

Governo do RN anuncia calendário da folha de março dos servidores; dias 15 e 29, conforme faixa salarial

O pagamento do mês de março dos servidores públicos do Estado será feito nos dias 15 e 29, conforme faixa salarial. Dia 15 será pago o salário integral a quem ganha até R$ 6 mil, aos servidores dos órgãos que compõem a Segurança Pública e uma parcela de 30% do salário de quem recebe acima de R$ 6 mil. Dia 29 será pago o restante do salário de quem recebe acima de R$ 6 mil e os servidores dos órgãos que têm arrecadação própria e da Educação.
Essas datas e valores foram fruto do acordo entre o Governo do Estado e as entidades representativas dos servidores durante reunião realizada na manhã desta quinta-feira (28) no Gabinete Civil com os secretários Raimundo Alves (Gabinete Civil), Virgínia Ferreira (Administração) e Aldemir Freire (Planejamento).
Segundo o secretário-chefe do Gabinete Civil, a antecipação de parte dos salários tem o objetivo de reduzir o impacto dos atrasos das folhas de dezembro e do décimo-terceiro de 2018 para quem recebe os menores salários.
Na reunião ficou acordado também que o Governo irá estudar uma proposta de calendário salarial dos próximos seis meses para, assim, poder oferecer uma previsibilidade aos servidores. Atualmente, as datas são definidas a cada mês durante as reuniões entre representantes dos Governo e dos servidores.
Fevereiro
Nesta quinta-feira, o Governo do Estado concluiu a folha de pagamento do mês de fevereiro pagando o restante de 70% dos salários de quem ganha acima de R$ 6 mil, além dos servidores da Educação e dos órgãos com arrecadação própria, como por exemplo Caern e Detran.

Guaidó diz que encontro com Bolsonaro marca relacionamento positivo

Ana Cristina Campos e Andreia Verdélio
Após cerca de 50 minutos de reunião, o presidente Jair Bolsonaro e o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, deram uma declaração à imprensa, no Palácio do Planalto. Guaidó agradeceu em nome do povo venezuelano a reunião com Bolsonaro que, segundo ele, marca um rito importante na história da região. “Marca um relacionamento positivo entre Venezuela, Brasil e a região após a cúpula histórica do Grupo de Lima, em Bogotá”, disse o venezuelano.
Ele chegou ao Palácio do Planalto às 13h50, acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e passou pelo tapete vermelho estendido em uma das portarias laterais do edifício principal. Os Dragões da Independência fizeram as honras na entrada.
Apesar de o Brasil reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela, o encontro não é considerado uma visita de Estado, mas acontece no gabinete de Bolsonaro. O também presidente da Assembleia Nacional da Venezuela ainda deve se encontrar com o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).
Guaidó chegou ao Brasil na madrugada desta quinta-feira (28). Por meio de sua conta pessoal no Twitter, ele disse que veio ao Brasil em busca de apoio para a transição de governo na Venezuela. Antes do encontro com Bolsonaro, ele esteve com representantes diplomáticos de outros países no escritório da delegação da União Europeia, em Brasília.
“Em nosso encontro com os embaixadores dos países da União Europeia, continuamos a fortalecer as relações com nações que reconheceram nossos esforços para recuperar a democracia na Venezuela e obter eleições livres”, escreveu. “Apreciamos o forte apoio internacional dado à nossa rota e apoio à ajuda humanitária. É hora de avançar para conseguir a cessação da usurpação que porá fim à crise na Venezuela, recuperará nosso país e estabilizará a região”, completou.
Guaidó ressaltou que o empobrecimento do povo venezuelano é “resultado da corrupção em seu país, do ataque aos direitos humanos, da desmontagem do Estado de Direito, e do ataque às empresas privadas na Venezuela”.
“Na Venezuela hoje estamos lutando por eleições livres, democráticas. Não houve eleições livres em 2018”, afimou.
Mais cedo, também pelo Twitter, o ministro Ernesto Araújo disse que a diplomacia brasileira continua com seu "apoio irreversível e incondicional à libertação" do país vizinho.
No mês passado, o Tribunal Supremo de Justiça proibiu Guaidó de deixar a Venezuela e congelou suas contas. A Corte atendeu a um pedido do procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, aliado do presidente Nicolás Maduro. Apesar da decisão judicial, o presidente interino foi à Colômbia para articular a entrega de ajuda humanitária na fronteira e participar do encontro do Grupo de Lima, em Bogotá. Mesmo correndo risco de ser preso, ele prometeu retornar à Venezuela, em breve.

Operação Carnaval 2019 no RN tem efetivo extra de quase 5 mil PMs; veja como atuarão polícias, Itep e Corpo de Bombeiros

O Governo do Estado inicia nesta sexta-feira (1º) a Operação Carnaval 2019, que visa garantir festejos tranquilos para a população do Rio Grande do Norte. A ação vai até a próxima quarta-feira (6), com esquemas especiais montados por todos os órgãos que compõem a Secretaria do Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) e que contarão com efetivo extra através de diárias operacionais no valor de mais de R$ 3 milhões. Além disso, as forças estaduais atuarão em parceria com Polícia Rodoviária Federal (PRF), Guarda Municipal e Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU).
“Montamos um esquema de integração entre todas as Forças de Segurança do Estado para que a população possa aproveitar o período de carnaval sabendo que o Governo do Estado está trabalhando para garantir a segurança de todos”, destacou o coronel Francisco Araújo, secretário da Segurança do RN, na manhã desta quinta-feira, 28, durante entrevista coletiva à imprensa.
Polícia Militar
O trabalho ostensivo será realizado em todo estado, com destaque para os municípios que costumeiramente atraem um maior público nesse período. Ao todo, serão 4.900 PMs de efetivo extra, sendo 2.478 do Comando de Policiamento Metropolitano (COM), 1.752 do Comando de Policiamento do Interior (CPI) e 670 do Comando de Policiamento Rodoviário Estadual (CPRE).
Polícia Civil
A Polícia Civil disponibilizará 465 agentes de segurança realizando um policiamento ostensivo/repressivo e exercendo as funções de polícia judiciária, visando reprimir crimes como o porte ilegal de armas; o furto e roubo aos foliões, veranistas, turistas, moradores e comerciantes; o furto e o roubo de veículos; o tráfico de entorpecentes; a exploração sexual infanto-juvenil, como também outras modalidades de delito.
ITEP
Durante o período do Carnaval, os serviços essenciais do ITEP funcionarão 24h por dia, com os profissionais atuando em escala de plantão. Neste período, os médicos legistas, peritos criminais, atendentes do necrotério, digitadores da sala de laudo, necrotomistas, motoristas e papiloscopistas estarão à disposição do instituto.
Corpo de Bombeiros
Ao todo, serão mais de 150 militares atuando diariamente nos principais polos em solo potiguar. Militares do 1º e 2º Grupamento de Bombeiros Militar, além dos que atuam no Grupamento de Busca e Salvamento (GBS), e do Serviço de Atividades Técnicas (SAT), estarão à disposição da população em locais estratégicos. O Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte (CBMRN) divulgou em entrevista coletiva à imprensa, nesta quinta-feira (28), o plano de operação para o Carnaval 2019.
Mergulhadores e guarda-vidas atuarão em postos distribuídos nas praias da Redinha, Praia do Forte, Praia do Meio, Praia dos Artistas, Praia de Areia Preta, Ponta Negra, Búzios, Camurupim, Praia da Barra (Tibau do Sul), Praia do Amor (Tibau do Sul), Emanuelas e Ceará (Tibau). O objetivo é desenvolver ações de prevenção, fiscalização, orientação e resgate nas diversas praias do litoral potiguar.
O 1º Grupamento Bombeiro Militar, que atua na área de prevenção e combate a incêndio na Grande Natal e cidades vizinhas, atuará com postos avançados durante as festividades do Carnaval visando reduzir o tempo resposta às possíveis ocorrências que surgirem no período.
O Serviço de Atividades Técnicas (SAT) contará com militares que atuarão nas ações de vistorias de carnaval de eventos temporários em 38 municípios do Rio Grande do Norte.

CNPE marca para outubro leilão do petróleo excedente da cessão onerosa

Luciano Nascimento
O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) marcou para 28 de outubro o leilão do petróleo excedente da área de cessão onerosa. Segundo o Ministério de Minas e Energia, o certame será feito na modalidade de partilha de produção, a mesma aplicada no pré-sal, que prevê que a União fique com parte da produção.
Em reunião nesta quinta-feira (28), o CNPE definiu que serão leiloadas as áreas de Atapu, Búzios, Itapu e Sépia, na Bacia de Santos. O vencedor deverá pagar à Petrobras uma compensação pelos investimentos feitos na área e, como contrapartida, adquirirá uma parte dos ativos e da produção.
O CNPE informou que trabalha na elaboração de diretrizes para o cálculo dessa compensação à Petrobras. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, que preside o conselho, serão feitas simulações com diferentes cenários para definição do bônus de assinatura, percentual mínimo de óleo lucro e compensação à Petrobras devida pelo vencedor do leilão.
Em março, o conselho volta a se reunir para definir o bônus de assinatura do leilão e tratar da autorização para realização do certame.
O contrato de cessão onerosa foi firmado pela Petrobras com a União em 2010 e garante à empresa explorar 5 bilhões de barris de petróleo pelo prazo de 40 anos.

O governo estima que a área pode render mais 6 bilhões de barris, o que poderia resultar na arrecadação de R$ 100 bilhões em bônus de assinatura.

Bolsonaro diz que vai atuar para restabelecer democracia na Venezuela

Marcelo Brandão e Pedro Rafael Vilela
Depois da reunião no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro manifestou publicamente seu apoio ao presidente autodeclarado interino da Venezuela, Juan Guaidó. Em declaração à imprensa, na tarde de hoje (28), Bolsonaro afirmou que o Brasil vai atuar, dentro da legalidade, para restabelecer a democracia no país vizinho.
“Nós não pouparemos esforços dentro da legalidade, da nossa Constituição e das nossas tradições para que a democracia seja restabelecida na Venezuela. E isso só será possível com eleições limpas e confiáveis. Nos interessa uma Venezuela livre, próspera e economicamente pujante”, disse o presidente.

O presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto.Bolsonaro criticou governos anteriores do Brasil por terem dado apoio ao presidente venezuelano, Nicolás Maduro. “Faço uma mea culpa aqui, porque dois ex-presidentes do Brasil fizeram parte do que está acontecendo na Venezuela hoje. Essa esquerda gosta de tanto de pobre que acabou multiplicando-os, e a igualdade buscada por eles foi por baixo. Queremos uma igualdade para cima, na prosperidade”, afirmou.
O presidente brasileiro pediu permissão para chamar Guaidó de “irmão” e afirmou que continuará apoiando as decisões do Grupo de Lima em favor da mudança de política no país vizinho, “por liberdade e democracia”. Ao final de seu pronunciamento, apertou a mão do colega.
Em seu pronunciamento, o presidente autoproclamado da Venezuela – que é o presidente da Assembleia Nacional, equivalente ao Congresso Nacional venezuelano, – agradeceu o apoio do governo brasileiro na ajuda humanitária ao país vizinho e classificou o encontro com Bolsonaro como um marco no resgate das relações entre os dois países.
“É um marco para resgatar um relacionamento positivo que beneficie nossa gente. Na Venezuela, estamos lutando por eleições livres, no marco da Constituição, democráticas”, afirmou o líder opositor, reconhecido por mais de 50 países, incluindo o Brasil, como presidente legítimo do país.

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, fala durante encontro com o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto.Guaidó citou também o número de 300 mil venezuelanos em situação de “emergência de morte” e outros 3 milhões em risco humanitário em decorrência da crise política e econômica que afeta o país. Para o presidente interino, a Venezuela não vive um dilema entre dois grupos ou duas ideologias, mas sim entre ditadura e democracia, entre miséria e prosperidade.
Guaidó chegou ao Brasil na madrugada de hoje (28). Em sua conta pessoal no Twitter, ele disse que veio ao Brasil em busca de apoio para a transição de governo na Venezuela. Antes do encontro com Bolsonaro, ele esteve com representantes diplomáticos de outros países no escritório da delegação da União Europeia, em Brasília.

Golpe promete saque de abono de R$ 1.023 antes da reforma da Previdência

Circula entre usuários de aplicativos a falsa mensagem de que quem trabalhou com carteira assinada de 1995 a 2018 tem direito ao saque de um abono salarial de R$ 1.023. O boato ainda se aproveita da reforma da Previdência — enviada ao Congresso Nacional no último dia 20 — para afirmar que quem não fizer a retirada até o dia 12 de março vai perder o direito ao pagamento.
O aviso sobre a falsa mensagem foi divulgado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, como uma alerta à população. Segundo a pasta, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata da reforma da Previdência “só produzirá efeitos a partir de 2020, não tendo qualquer relação com a situação descrita”.
Vale ressaltar que, atualmente, o valor do abono do PIS/Pasep é de até R$ 998 (dependendo do número de meses trabalhados no ano-base de referência para o pagamento) e não de R$ 1.023. Este ano, o saque está sendo feito somente por quem trabalhou com carteira assinada em 2017 por, pelo menos, 30 dias, tendo recebido até dois salários mínimos. Portanto, não é para quem trabalhou de 1995 a 2018.
Além disso, a proposta de mudança no abono salarial do PIS/Pasep prevista na PEC da reforma da Previdência é de restringir esse pagamento a quem ganhou somente um salário mínimo no ano-base de referência. Mas isso ainda depende de tramitação e aprovação do Congresso Nacional para entrar em vigor.
A falsa mensagem leva o usuário a clicar num link que pode redirecioná-lo para um site fraudulento. Nesse tipo de golpe, conhecido como “phishing”, os criminosos tentam fisgar o internauta com uma oferta ou promessa atraente. Ao clicar nesse link, o consumidor pode ter seu computador ou celular infectado por um vírus ou um malware, que pode permitir o sequestro de seus dados.
Orientações
A orientação, neste caso, é apagar imediatamente a mensagem. Nunca informe dados pessoais a terceiros, já que essas informações podem ser utilizadas para fraudes.
Por meio de nota, a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho reiterou “que todos os serviços oferecidos pela Previdência Social e pelo Trabalho, assim como eventuais valores a receber, quando realmente existentes, são comunicados oficialmente pelos órgãos públicos e disponibilizados de forma gratuita aos segurados”.
A pasta ainda destacou que não solicita dados pessoais de seus segurados por e-mail ou telefone.Tampouco faz qualquer tipo de cobrança para prestar atendimento.
“A recomendação é que não recorram a intermediários para entrar em contato com a Previdência e, em hipótese alguma, depositem qualquer quantia para ter direito a algum benefício”.
Cuidados a seguir
– Cuidado com um link desconhecido: pode ser malicioso e, assim que o usuário clica nele pode baixar um malware em seu dispositivo ou ser direcionado a uma página de phishing que coleta dados pessoais.
– Não repasse a mensagem a amigos ou grupos: isso potencializa o alcance do golpe.
– Desconfie de mensagens e anúncios de redes sociais: em caso de dúvida, entre em contato com os bancos envolvidos nos pagamentos dos abonos: Caixa Econômica Federal (que paga o PIS aos trabalhadores da iniciativa privada) e Banco do Brasil (que libera o Pasep aos servidores e aos empregados de empresas públicas).
– Instale uma solução de segurança em seu dispositivo: use, principalmente, um antivírus que tenha tecnologias integradas para evitar fraudes financeiras.
– Denuncie: caso tenha sido vítima de algum crime virtual, o cidadão deve dar imprimir a mensagem, bem como a janela completa com o endereço do link malicioso. O registro de ocorrência pode ser feito em qualquer delegacia do estado ou pelo serviço Delegacia On-line .
O Globo

Janeiro registra criação de 34,3 mil empregos formais


Wellton Máximo
IndústriasA criação de empregos com carteira assinada iniciou o ano com o segundo melhor nível para o mês em seis anos. Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, 34.313 postos formais de trabalho foram criados no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões.
A criação de empregos caiu 56% em relação a janeiro de 2018, quando haviam sido abertos 77.822 postos formais de trabalho. No entanto, esse foi o segundo melhor janeiro para o mês desde 2013, quando haviam sido criadas 28,9 mil vagas.
Esse foi o segundo ano seguido em que o país registrou mais contratações que demissões em janeiro. Em 2015, 2016 e 2017, as dispensas tinham superado as contratações no primeiro mês do ano.
Nos 12 meses terminados em janeiro, foi registrado o crescimento de 471.741 empregos formais, resultado da diferença entre 1.325.183 admissões e 1.290.870 desligamentos.
Na divisão por ramos de atividade, cinco dos oito setores pesquisados criaram empregos formais em novembro. O campeão foi o setor de serviços, com a abertura de 43.449 postos, seguido pela indústria de transformação (34.929 postos). A construção civil ficou em terceiro lugar (14.275 postos), seguida pela agropecuária (8.328 postos) e pelo extrativismo mineral (84 postos).
Os três setores que fecharam postos de trabalho em janeiro foram o comércio (-65.978 postos), administração pública (-686 postos) e serviços industriais de utilidade pública, categoria que engloba energia e saneamento (-88 postos).
Tradicionalmente, janeiro registra dispensas no comércio por causa do fim das contratações temporárias para as vendas de Natal. Em início de governo, a administração pública demite terceirizados e comissionados.
Destaques Nos serviços, a criação de empregos foi impulsionada por serviços de comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnico (23.318 vagas), serviços médicos, odontológicos e veterinários (15.163 vagas) e ensino (5.152 vagas). Na indústria de transformação, os destaques foram os setores têxtil e de vestuário (9.276 postos), de calçados (5.870 postos) e indústria mecânica (5.502 postos).
No comércio, que liderou o fechamento de vagas em janeiro, as maiores quedas no nível de emprego foram registradas no ramo varejista, com o encerramento de 69.027 pontos formais. O setor atacadista, no entanto, abriu 3.049 vagas.
Regiões Três das cinco regiões brasileiras criaram empregos com carteira assinada em novembro. O Sul liderou a abertura de vagas, com 41.733 postos, seguido pelo Centro-Oeste (22.802 vagas) e pelo Sudeste (6.485 vagas). O Nordeste fechou 30.279 postos, e o Norte registrou 6.428 vagas a menos no mês passado.
Na divisão por estados, 11 unidades da Federação geraram empregos e 16 demitiram mais do que contrataram. As maiores variações positivas no saldo de emprego ocorreram em Santa Catarina (abertura de 20.157 postos), em São Paulo (14.638), no Rio Grande do Sul (12.431) e em Mato Grosso (11.524). Os estados que lideraram o fechamento de vagas formais foram Rio de Janeiro (-12.253 postos), Paraíba (-7.845) e Pernambuco (-7.242).

Pais dormem mal por seis anos após terem filhos, aponta pesquisa

“Esqueça suas noites de sono” é o tipo de alerta que todo casal que vai ter uma criança ouve dos que já passaram pela experiência. Agora, uma pesquisa inglesa quantificou o tamanho do problema: o sono interrompido dos pais tem sua pior fase nos três primeiros meses de vida do infante, atinge mais as mulheres e dura por pelo menos seis anos.
Publicado no periódico “Sleep”, o estudo, da Universidade de Warwick, acompanhou 2.541 mulheres e 2.118 homens da Alemanha que estavam esperando seu primeiro, segundo ou terceiro filho.
De 2008 a 2015, eles foram questionados anualmente sobre a quantidade de horas que dormiam e tinham de dar notas de 0 a 10 para a qualidade de seu sono.
As mulheres são as mais atingidas: na média, elas relataram dormir 40 minutos a menos a cada noite no primeiro ano de vida do bebê, em comparação com o período pré-gravidez. Nos três primeiros meses da criança, foi relatada uma média de uma hora de sono perdido por noite.
A nota que atribuíram à qualidade dessa dormida caiu 1,7 ponto nessa fase, para as mães de primeira viagem — para as que estavam em seu segundo ou terceiro filho, a queda na nota foi de pouco mais de 1 ponto.
Já para os homens, a média foi de 13 minutos a menos de sono, mesmo no primeiro trimestre de vida do filho.
As condições dos pais para dormir melhoram gradativamente após os primeiros três meses da cria, mas não atingem os níveis pré-gravidez por pelo menos seis anos.
“Não esperávamos esse resultado, mas acreditamos que haja muitas mudanças nas responsabilidades dos pais (nesse período)”, afirmou o doutor Sakari Lemola, co-autor da pesquisa, em entrevista ao jornal inglês The Guardian. Ele afirmou que, apesar de as crianças tenderem a parar de chorar à noite à medida que envelhecem, ainda podem despertar na madrugada por pesadelos ou doença.
As preocupações associadas à maternidade e à paternidade também contribuem para a queda na duração e qualidade do sono.
A pesquisa identificou que a amamentação também está associada a um declínio na satisfação com o sono e em sua duração. Já a idade dos pais, sua renda e o fato de estarem juntos ou separados têm pouca relação com a qualidade da dormida.
O Globo

CORRETIVO PARA UM LADO, RECONCILIAÇÃO COM OUTRO: Bolsonaro revela puxão de orelha em ministro da Educação, e se aproxima da imprensa com café da manhã no Planalto

Entre as declarações dadas nesta quinta-feira(28) em café da manhã com um grupo de 13 jornalistas no Palácio do Planalto, em que o UOL esteve presente, o presidente Jair Bolsonaro falou da polêmica do hino nacional, revelou puxão de orelha em ministro da Educação, e explicou o caminho que deveria ter sido adotado para o caso.
HINO NACIONAL X INTERNACIONAL SOCIALISTA
O presidente também disse que chamou o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, para uma conversa após ele pedir às escolas que mandassem vídeos de alunos cantando o Hino Nacional e repetindo o slogan da campanha presidencial.
“Eu disse a ele [Vélez Rodríguez]: peça desculpas e desfaça”
Bolsonaro defendeu, porém, a importância de que alunos cantem o hino nas escolas e disse que isso é praticado em muitas nações. Afirmou que o processo deve ocorrer sem doutrinação e fiscalização.
Ele disse que Vélez poderia ter sugerido, por exemplo, que as escolas estimulassem mais a participação dos pais dos alunos no ambiente escolar.
Bolsonaro disse também que o ministro da Educação está investigando denúncia de que escolas ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) estariam impondo a crianças cantar um hino da entidade e também a Internacional Socialista, mas não deu mais detalhes sobre o caso.
APROXIMAÇÃO COM A IMPRENSA
O café da manhã com jornalistas de 13 veículos foi um gesto de aproximação com a imprensa solicitado por Bolsonaro, segundo seus assessores. Durante a conversa, o presidente ressaltou a importância da imprensa para o processo democrático.
Também disse que já deu “caneladas” e que a imprensa já cometeu erros, mas afirmou que tudo faz parte de um processo de amadurecimento necessário para o bem do país. Durante a campanha, Bolsonaro acusou veículos de imprensa de publicarem fake news.
Ele reforçou que seu governo não aceitará práticas da velha política de “toma lá dá cá” e não negociará ministérios.
UOL

Escola de Música da UFRN oferece cursos gratuitos em 11 instrumentos

A Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (EMUFRN) abre, até 08 de março, inscrições para o Programa de Formação Inicial e Continuada em Música (PROMUSICA). Os cursos são abertos ao público tanto interno quanto externo da UFRN, e são gratuitos, sendo necessário já possuir o instrumento. Para poder participar da seleção, os interessados deverão preencher os pré-requisitos estabelecidos para cada instrumento, tais como idade mínima e renda, se for solicitado.
Os cursos ofertados serão Iniciação ao Piano, Percussão, Trompete, Eufônio, Tuba, Trompa, Trombone, Flauta; Oboé, Clarinete e Fagote. Para alguns dos cursos é necessário que o candidato tenha determinada faixa etária, mas na maioria dos cursos não.
As seleções serão realizadas na Escola de Música e as datas variam de acordo com o instrumento escolhido. Para mais informações, formulários de inscrição e detalhes do processo, acesse o site da Escola de Música.
Com informações da UFRN

PM e ligas de blocos viabilizam desfile de grupos tradicionais no Rio

Nielmar de Oliveira
Rio de Janeiro - Bloco das Carmelitas anima foliões em Santa Teresa, região central da capital fluminense, no primeiro dia do carnaval carioca  (Tomaz Silva/Agência Brasil)Ameaçados de não desfilar no carnaval deste ano por não terem obtido a documentação necessária na Polícia Militar, blocos tradicionais da cidade, como o Imprensa que Eu Gamo, Carmelitas, Suvaco do Cristo, Céu na Terra e Toca Rauul conseguiram garantir participação na folia a menos de 24 horas do início da festa.
A questão foi resolvida após reunião, nesta quinta-feira (28), entre representantes de duas das principais ligas dos blocos do Rio, a Sebastiana e a Amigos do Zé Pereira, a Riotur e comandantes dos batalhões da Polícia Militar (PM), que vinha se recusando a conceder a autorização para o desfile alegando falta da documentação exigida para a apresentação.
Durante o encontro, houve acordo entre as partes, e  o prazo para a entrega dos documentos foi estendido. Caberá às ligas correr contra o tempo para apresentar os documentos à PM e obter o “Nada a Opor”, que é indispensável para viabilizar a apresentação dos blocos carnavalescos da cidade.
A reunião foi feita depois de representantes dos blocos terem divulgado nota  criticando a burocracia em torno da concessão do documento, sob a alegação de descumprimento do prazo pelos blocos.
Na nota, divulgada ontem (27), os representantes das ligas diziam que faltava clareza às regras e exigências da prefeitura e ressaltavam o fato de, no ano passado, não ter sido necessário garantir o documento, mas apenas dar ciência do desfile aos batalhões.
As ligas criticavam também a ausência de igualdade e as controvérsias nos batalhões, uma vez que alguns blocos tiveram o pedido indeferido, enquanto outros o conseguiam aparentemente com a mesma documentação.
Ao comentar a decisão que viabilizará a apresentação dos blocos, o presidente da Liga Amigos do Zé Pereira, Rodrigo Resende, defendeu um entendimento maior entre os envolvidos na organização do desfile para evitar que se repitam “o sufoco e a correria deste ano”.
Em nota, a Secretaria de Estado de Polícia Militar informou que as concessões sobre a documentação foram feitas conforme os blocos carnavalescos eram autorizados pela Riotur a se apresentarem pelas ruas da cidade.
Segundo a nota, a PM segue os procedimentos dispostos no Decreto nº 44.617, de 20 de fevereiro de 2014, que estabelece prazo para a retirada do documento. Com o impasse e o atraso na entrega da notificação, no entanto, a PM resolveu flexibilizar os prazos de recebimento da documentação, considerando alterações nos procedimentos de autorização dos blocos pela Riotur.
Com a decisão, os blocos que já solicitaram recurso, mas tiveram a autorização negada, terão a situação reavaliada individualmente. “É importante ressaltar que a corporação necessita de tempo hábil para planejar o policiamento a ser empregado, tendo em vista questões logísticas – mobilização de tropa e a escala de trabalho dos policiais”, diz a nota da PM.

Copa Bené dará sequência ao calendário esportivo do município e terá inscrições de 07 a 20 de março

FOTO-GINÁSIOO incentivo ao esporte amador continuará, na gestão do prefeito Ivanildinho, sendo uma das prioridades da Prefeitura de Santa Cruz.
O calendário esportivo do município já começou a ser desenvolvido com a realização de mais uma edição do “Futebol nas Férias”. Agora, os preparativos são para “7ª Copa Bené de Futsal”, competição que se consolidou nos últimos anos e que reúne a cada edição dezenas de atletas locais.
“Ao longo do ano, não apenas teremos competições que já foram inseridas ao nosso calendário, mas também pretendemos aprimorar as nossas ações nesse sentido, ampliar esse calendário e envolver ainda mais cidadãos em nossas ações de incentivo ao esporte”, disse o secretário de Esporte e Lazer, Jackson Jaedyson.
O Copa Bené reúne equipes das categorias mirim, infantil, juvenil, feminino e máster. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas, de 07 a 20 de março, no Centro de Treinamento José Rodrigues da Rocha.


Polícia Militar conclui o Plano de Operações do Carnaval 2019

A apresentação do “Plano de Operações do Carnaval 2019” de todos os órgãos de Segurança Pública do Estado à imprensa acontecerá às 10h da manhã desta quinta-feira (28), no Gabinete de gestão Integrada (GGI) da Secretária de Segurança Pública e da Defesa Social (SESED), localizado na Escola de Governo.
A Polícia Militar do Rio Grande do Norte concluiu o planejamento na manhã desta quarta-feira (27). Na ocasião, oficiais do Comando do Policiamento do Interior (CPI), do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM) e do Comando de Polícia Rodoviária Estadual (CPRE) se reuniram com o Subcomandante e Chefe do Estado Maior da PMRN, Coronel Zacarias Mendonça, e o Chefe da 3ª Seção do Estado Maior Geral da PMRN, Tenente Coronel Correia Lima, no Quartel do Comando Geral da PM.
O Policiamento acontecerá em todas as regiões do estado, havendo um reforço necessário nos principais polos carnavalescos. O CPI atenderá cidades como Apodi, Caicó, Areia Branca, Tibau, Macau, Assú, Touros, Barra de Maxaranguape, São Miguel do Gostoso, Pipa, Barra de Cunhaú e Baía Formosa. Já o CPM estará com foco principal no litoral sul (até Barreta) e Norte (até Muriú), e nos polos do Carnaval de Natal (Petrópolis, Ribeira, Rocas, Centro Histórico, Ponta Negra e Redinha).
Os policiais sairão do quartel da PM nesta sexta-feira (1º) e seguirão com a Operação Carnaval até a próxima quarta-feira (06) de cinzas. A PM fará barreiras no intuito de coibir furto de veículos, posse de armas de fogo e drogas, para garantir a tranquilidade da população.
BG

Homem que passou 40 anos preso por erro ganha R$ 78 milhões de indenização


Um homem que passou 40 anos preso por assassinato e depois foi perdoado conseguiu um acordo de US$ 21 milhões (cerca de R$ 78 milhões) com a cidade de Simi Valley, na Califórnia, segundo autoridades locais.
Em 1980, um júri considerou Craig Coley culpado pelo assassinato de sua ex-namorada, Rhonda Wicht, 24, e de seu filho de 4 anos, Donald, crime que ele afirmou não ter cometido.
Em 2017, Coley, 71, foi perdoado por Jerry Brown, então governador, e libertado da prisão depois que investigadores encontraram novas provas de DNA de que ele não foi o assassino.
Um comunicado da prefeitura no sábado (23) disse que o acordo foi alcançado para evitar um processo judicial longo e caro.
“Embora nenhuma quantia em dinheiro possa compensar o que aconteceu com o senhor Coley, celebrar esse acordo é a coisa certa a se fazer por ele e nossa comunidade”, afirmou o administrador da cidade de Simi Valley, Eric Levitt, no comunicado.
“A despesa para levarmos o caso a julgamento seria astronômica, e seria irresponsável nós seguirmos nessa direção.”
Em entrevista na segunda-feira (25), Levitt disse que Coley e seus representantes informaram à cidade no ano passado sobre sua intenção de processar Simi Valley por detenção arbitrária.
Levitt disse que os representantes jurídicos da cidade advertiram que ela poderia ser obrigada a pagar até US$ 80 milhões se perdesse o julgamento. “Foi melhor para ele e para nós pôr o assunto para trás”, disse.
Tentativas de contato com Coley na segunda-feira foram infrutíferas. Representantes do Departamento de Polícia de Simi Valley e o gabinete do promotor da cidade não responderam a um pedido de comentários.
O período de prisão de Coley foi o mais longo já revogado na Califórnia, segundo a declaração, citando a iniciativa do Departamento de Polícia de reabrir o caso que levou à descoberta da prova de DNA que o inocentou.
A prefeitura disse que pagará cerca de US$ 4,9 milhões dos US$ 21 milhões acordados, e o restante virá de seguros e outras fontes.
Coley foi preso em 11 de novembro de 1978, depois que Wicht foi encontrada espancada e estrangulada em sua casa, aparentemente com uma corda. Seu filho tinha sido sufocado.
O primeiro julgamento de Coley terminou com o júri suspenso por indecisão em 1979, mas ele foi considerado culpado no ano seguinte e condenado à prisão perpétua sem direito a liberdade condicional.
Em 2017, entretanto, o promotor distrital Gregory Totten, do condado de Ventura, e o delegado David Livingstone, da polícia municipal, disseram que apoiariam um pedido de clemência feito por Coley dois anos antes, citando novos testes de DNA que provavam sua inocência.
O teste de DNA fez parte de uma investigação de um ano iniciada em outubro de 2016 a pedido de policiais que duvidavam da culpa de Coley.
Coley, que não tinha antecedentes criminais na época de sua detenção, foi um preso “modelo” durante suas décadas no presídio, disse Brown quando o indultou.
Investigadores encontraram em um laboratório particular amostras biológicas que haviam sido consideradas perdidas.
Novos testes mostraram que o DNA encontrado em uma das provas do caso não combinava com o de Coley. “Não temos mais confiança no peso das evidências usadas para condenar Coley”, disseram Totten e Livingstone em um comunicado na época.
Os dois chamaram o caso de “trágico”, acrescentando que “Craig Coley passou 39 anos preso por um crime que provavelmente não cometeu”.
Na segunda-feira, Levitt disse que o Departamento de Polícia ainda seguia pistas da morte de Wicht e seu filho.
No ano passado, autoridades da Califórnia concederam a Coley US$ 1,95 milhão —US$ 140 para cada dia que ele passou na prisão.
FOLHA DE SÃO PAULO – THE NEW YORK TIMES

De volta à elite, Viradouro desfila sob a batuta de Paulo Barros


Cristina Indio do Brasil


Detalhes de carros alegóricos da Unidos do Viradouro, escola de Niterói, no barracão da agremiação na Cidade do Samba.
O carnavalesco Paulo Barros fala sobre o desfile deste ano da Unidos do Viradouro, escola de Niterói, no barracão da agremiação na Cidade do Samba.Quando entrar na avenida no domingo de carnaval, a Unidos do Viradouro estará novamente no Grupo Especial - a elite das escolas de samba do Rio de Janeiro. O campeonato em 2018 na Série A (antigo grupo de acesso) deu à vermelho e branco de Niterói o direito a essa volta ao palco onde já fez passagens marcantes.

A Viradouro estreou no grupo especial em 1991, após ganhar o título do acesso, e se manteve na elite do carnaval do Rio até 2010. Nesse período, conquistou o campeonato em 1997, com o enredo Trevas! Luz! A Explosão do Universo, do carnavalesco Joãosinho Trinta (morto em 2011).

Com o rebaixamento, em 2011, retornou à série A, onde permaneceu até ser campeã em 2014. Mas nem saboreou o gosto da elite do carnaval carioca e logo caiu novamente. No ano passado, retornou ao grupo especial. A ascensão de uma escola é uma responsabilidade até para os mais experientes no Sambódromo.

Para o carnavalesco Paulo Barros, que já foi campeão pela Unidos da Tijuca (2010, 2012 e 2014) e pela Portela (2017), a Viradouro, desta vez, entendeu que precisava se preparar para o grupo especial, que exige mais das agremiações.
“Quando sobe para o [grupo] especial tem que mudar a estrutura de carro alegórico, o processo administrativo da escola. Tem que encarar que é uma escola do grupo especial, diferente do que é no grupo de acesso. A essência pode ser a mesma, mas a gestão tem que ser diferenciada. A Viradouro fez exatamente isso”, afirmou.
Bateria Na esteira da mudança tem equipe nova na Viradouro. O carnavalesco disse que foram contratados “profissionais gabaritados dentro de cada área” para defender na avenida os quesitos que podem garantir melhores notas à escola. “A Viradouro volta para o grupo especial com pé no chão, entendendo que tudo isso tem que ser mexido. Poucas escolas têm essa percepção”, observou.

Como coreógrafo da comissão de frente, a escola contratou Alex Neoral, que trabalhou com Barros, no ano passado, na Unidos de Vila Isabel. O mestre-sala será Julinho e a porta-bandeira a Ruth, os dois são parceiros desde 2008.

À frente da bateria, mestre Ciça está de volta à Viradouro. “As pessoas costumam fazer uma ligação direta às escolas que sobem como se fossem as favoritas para descer. Teoricamente seriam as mais fracas. A Viradouro fez o processo contrário”, afirmou.

Enredo Detalhes de carros alegóricos da Unidos do Viradouro, escola de Niterói, no barracão da agremiação na Cidade do Samba.A Viradouro vai para a Marquês de Sapucaí com mais de 2.900 componentes, com a intenção de encantar o público com o enredo ViraViradouro, que apresenta as histórias que as avós contavam. O enredo com o universo de histórias infantis e de contos de fadas tem no final uma floresta encantada. “Para a gente mergulhar nessa floresta e através do livro que a vovó nos manda ler, a gente possa renascer das cinzas”, revelou o carnavalesco.

O carnavalesco disse que a figura da avó sempre foi uma presença marcante na sua vida. “Quem não teve a figura da avó? A minha avó era a minha grande protetora. Nas horas difíceis, em que eu precisava correr atrás de alguém, até para me proteger mesmo, eu corria atrás dela. Então, a gente brinca com a personagem da avó, que foi e é a nossa segunda mãe”, afirmou.
Na volta à Viradouro, onde esteve em 2007 e 2008, o carnavalesco disse que encontrou um ambiente com o mesmo sentimento dos componentes em relação à escola e a mesma garra. “Sinto que a Viradouro de lá para cá não mudou, não perdeu esse encanto e essa força, a coragem e o amor que eles têm pela escola. Encontro hoje uma Viradouro que está pautada em moldes que convivi nos anos de 2007 e 2008”.
Tamborins Outro que está de volta é o mestre Ciça, que ficou na escola entre 1999 e 2009. Nesse período deixou a sua marca à frente da bateria, que quando passa na avenida levanta a arquibancada. A paradinha em ritmo de funk foi uma das inovações, mas o que causou mais surpresa foi o desfile dos ritmistas em cima de uma alegoria até o segundo recuo da bateria, na parte final do Sambódromo.

“Eu fiquei na escola durante dez anos e tenho que voltar agora com as mesmas características que eu gosto e que a escola gosta. Este ano vamos ter 32 tamborins no meio da bateria. Eles vão tocar uma parte do samba enredo sozinhos, com a bateria toda agachada na Sapucaí. No ensaio técnico, a reação da arquibancada foi positiva. Vamos ver no desfile. Tenho certeza que vai ser boa”, disse.
Mesmo voltando ao grupo especial, a Viradouro não abandona as origens: faz ensaios na Avenida Amaral Peixoto, no centro de Niterói. “Agora vendo tudo isso aí dá uma emoção muito grande”, disse Sônia Helena Nunes, de 49 anos. Ela começou na Viradouro como ritmista, tocou chocalho e agora é responsável pelo almoxarifado, onde são guardados os materiais usados nas alegorias e fantasias, no barracão na Cidade do Samba.